OPINIÃO

Saneamento básico

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Equivocadamente Vemos alertas sobre sinais que aparentam sujeira da cidade quando olhamos a rua coberta de folhas secas ou gramíneas que brotam nas calçadas e ruas. São meros fenômenos da natureza. O que desnatura e agride a vida de uma cidade é o lançamento volumoso de dejetos na rede de saneamento pluvial e, muito mais perverso, o esgoto cloacal a céu aberto. O verão escaldante está denunciando isso, principalmente no odor fétido que exala dos bueiros. No centro e nas vilas há problemas. Passo Fundo, por situar-se em boa altitude agregada à topografia urbana, ainda é das cidades com menores problemas de saneamento.

Isso, no entanto, não basta. A inexorável destinação exige a consciência geral de preservação das condições de vida. Rios e riachos ainda recebem esgoto in natura. O rio Passo Fundo escancara a deficiência. Atravessa a cidade em pranto funeral, embora insista em oferecer tantos benefícios estéticos e de vida com suas águas, peixes, árvores, pássaros, flores e tudo o que purifica o ar que respiramos. É indispensável que a coleta do esgoto se destine ao sistema de tratamento que melhorou razoavelmente nos últimos anos. Ainda é pouco para o que merece a cidade. Parece que as ligações de residências exigem um esforço logístico importante, tanto da gestão pública como de cada morador. Uma das dificuldades seria o nivelamento dos terrenos. Sabemos que o assunto vem sendo tratado pelo órgão municipal do meio ambiente, em sintonia coma CORSAN e outros. Mas é preciso mais ainda, para uma tarefa urbana de saúde pública ingente. Pensarmos como prioridade é obrigação cívica intransferível. Neste caso a excelência das soluções não pode ser vistas como utopia!

 

O invisível desastre
O Brasil continental finge desconhecer questões fundamentais. E as cidades crescem fisicamente, deteriorando condições de vida, a partir do saneamento. Com tanta riqueza e prosperidade econômica, permanecemos na colocação 112 entre os países no saneamento básico. Perdemos para Chile, Bolívia, Argentina. No século 21 as tecnologias fizeram disparar a evolução no mundo, muito em função da comunicação eletrônica. O saneamento, pressuposto de saúde pública, está perigosamente estagnado, emperrando o aprimoramento físico e metal de crianças e adultos. A concepção de cidade limpa é vista externamente, o que agrade com razão os olhos. Mais urgente, porém é o presente e o futuro de suas entranhas, sob pena de termos uma explosão intestina com males escabrosos. Passo Fundo tem adiantado essa questão em relação a outros municípios de médio porte. Os próximos passos, porém, serão válidos se olharmos para a vala promíscua do esgoto. É a saúde pública em clamor.

 

Saúde para cães


São Paulo inaugura seu terceiro hospital para atendimento exclusivo de pequenos animais. Recursos para tratar de gatos, cachorros e outros serão custeados pela prefeitura paulista conveniada com iniciativa privada. Serão cerca de mil atendimentos diários, em prédio de primeira classe, com recepção, sala de estar, enfermeiras, raio X, consultórios e centros cirúrgicos. É para tutores de baixa renda. Até aí, tudo bem. Já pensou se a moda pega para tantas comunidades carentes do Brasil e até surjam novos leitos hospitalares para pessoas? Pelo jeito, é possível!

 

Clea Carpes
A advogada gaúcha Cléa Carpes foi agraciada com a medalha Rui Barbosa, em sessão especial da OAB Nacional. É a primeira mulher a receber a comenda pela atuação em defesa das liberdades democráticas. Marco importante na história advocatícia brasileira.

 

Trabalho
A sucessão de atos atentatórios às instituições do trabalho permite deduzir que paira vontade política contrária a ideais trabalhistas no governo. Primeiro o atropelo da CLT; depois a portaria sórdida para reduzir combate ao trabalho escravo; agora Temer anuncia Cristiane Brasil, fragorosamente relapsa nas obrigações trabalhistas perante subordinados, para ministra de um cargo cultuado como território sagrado da nação. Resta o poder judiciário para impedir a afronta moral e “to do one’s Best” (fazer o possível) para evitar tanta leviandade ética.

Gostou? Compartilhe