OPINIÃO

Saulo e Barry

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O natal traz uma inexplicável sensação de tristeza ao mundo dos adultos. Porque quando crianças percebemo-lo como possibilidade de recompensa e poderemos ser merecedores do presente do Papai Noel no dia agendado em homenagem ao Papai do Céu. Desde cedo temos a mentalização da mercantilização desta data. É uma espécie de realização do ideal iluminista, o da contemplação dos desejos como forma de realização pessoal. Eram iluministas os hippies e os yuppies, fazer o que dá na telha para satisfazer as egolatrias. Já como adultos deveríamos estar mais atentos ao ideal estoico, o controle dos desejos materiais e valorizar mais o metafísico ou as amenidades da vida. Saulo de Tarso (28 anos) percorria os duzentos quilômetros entre Jerusalém e Damasco teria tido um insight, ou estalo ou um aviso e se converteu em Paulo e passou a divulgar a nova lei, a de Jesus, homem que não conheceu pessoalmente. Foi o grande marqueteiro da ordem religiosa que pregava o direito de todos, gentios e judeus, a viver preceitos morais e éticos e a sonhar num plano universal de bonança na casa do Pai, em outro plano. Pouco tempo depois o Império Romano devastou a Palestina mas, a mensagem já havia sido divulgada. Muitos consideram que o que temos hoje não seja o Cristianismo e sim o Paulinismo ou a interpretação de Saulo sobre a mensagem do Nazareno.

Na palestina daquela época faltava quase tudo. Faltava água, alimentos, paz e dignidade. Havia o povo oprimido e o controle opressor de Roma. Era corrente a tristeza e talvez um insight poderia trazer alento aos mansos e aos que sofrem.

Barry Stroud é um filósofo canadense que participou de um encontro de filósofos em Campos do Jordão recentemente. Entre muitas considerações discorreu sobre os rumos tomados por boa parte da juventude e enfatizou o carreirismo, individualismo e materialismo como a nova ordem, a nova lei. Focamos nossas energias para ganhar mais e mais dinheiro, transformamos nossas vidas em uma imensa carreira e, por conseguinte, a busca frenética pelo dinheiro, ou seja, natal das crianças ou a eterna espera do presente de fim-de-ano. Afinal, o adulto materialista apenas é uma criança que trocou os brinquedos lúdicos da infância por outros, pelos carrões, mansões, luxúrias. Barry afirma que a vida de agora é mais rica materialmente e ao mesmo tempo mais pobre porque irreflexiva e não percebemos a vida e a natureza como elas realmente são.

A tristeza da época de natal deve ser pela constatação de que ainda não tivemos o insight que Saulo teve e que,talvez, a Palestina, carente de tudo, ainda esteja impregnada dentro de nós, no nosso mundo extremamente comercial.

 

Gostou? Compartilhe