OPINIÃO

Competitividade: sem reformas não seremos competitivos

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Em 2018, o Brasil ganha uma posição ocupando agora a 60ª colocação dentre as 63 nações avaliadas no Anuário de Competitividade Mundial 2017 (World CompetitivenessYearbook – WCY). Completando sua 30ª edição no ano de 2018, o estudo é publicado pelo IMD (InternationalInstitute for Management Development), com sede na Suíça, em parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC). Os Estados Unidos retornam ao topo do ranking, posto que no ano de 2017 foi ocupado por Hong Kong, atualmente na 2ª posição. Como destaque positivo o relatório de 2018 evidencia o crescimento competitivo da China que ganha 5 posições, alçando o posto de 13º lugar.


Celebrando 30 edições desde sua primeira publicação, em 1989, o IMD chama atenção para países que se destacaram ao longo dos anos seja positiva ou negativamente. À época em que o Goldman Sachs publicou o seu famoso relatório ‘DreamingwithBrics: The path to 2050’, a China ocupava apenas a 26ª posição. Em 2018, fruto de reformas institucionais e estruturais e de uma consistente política de desenvolvimento humano e tecnológico, o país chega à 13ª posição.

 

O Brasil, por outro lado, citado pelo IMD como “um país que atraiu muita atenção devido ao seu tamanho e potencial econômico” ocupava em 2001 a 40ª posição e chega a 2018 no 60ª lugar. Os outros BRICS – Rússia e Índia também não avançaram de maneira significativa em 2018. A Rússia ocupa a 45ª posição tendo caído do 38º lugar, sua melhor posição em 2014. A Índia e África do Sul tem se mantido estáveis ao longo dos anos e, em 2018, aparecem na 44ª (depois de ter chegado ao 41º lugar em 2016) e 53a posição respectivamente.


Outros países com posições destacadas ao longo das 30 edições do anuário são o Japão e os EUA. O Japão, que ocupava o 1º lugar na primeira edição do relatório em 1989, caiu para a 24ª posição em 1998 fruto da estagnação da economia e o colapso dos preços dos ativos na chamada década perdida. Na década seguinte o Japão volta a ganhar posições chegando ao 17º lugar em 2008, posições que foram perdidas ao longo dos últimos dez anos chegando em 2018 no 25º lugar. Para o Brasil, o fator eficiência de governo é composto por cinco subfatores: finanças públicas, política fiscal, estrutura institucional, legislação de negócios e estrutura social. Todos estes subfatores se mantiveram estáveis em 2018, exceto o fator legislação dos negócios que perdeu uma posição. Mas o que caracteriza este fator em praticamente todas as variáveis analisadas é o fato que o Brasil se posiciona entre os piores países do mundo.


Em um ambiente político turbulento, o foco se volta para as decisões e manobras judiciais e para as denúncias sobre corrupção. As reformas necessárias como no sistema previdenciário foram adiadas e as ações firmes de controle dos gastos públicos e investimentos estruturais ficaram para o próximo governo. Os destaques no ano foram a reforma trabalhista que ainda não resultou em impactos positivos como já destacamos, e a confiança da comunidade empresarial nas decisões de corte de juros tomadas pelo Banco Central. Como o ruim pode ficar ainda pior, os indicadores de eficiência nos gastos públicos colocaram o país na última posição no indicador de gastos gerais do governo em relação ao PIB (74%), na posição 56 no indicador de crescimento da divida publica (8,48%) ambos com perda de 15 posições em um único ano.


Nota-se no dia a dia da sociedade e no meio empresarial, a retomada das expectativas positivas quanto ao futuro do Brasil. Deve-se observar que, as expectativas somente tornar-se-ão realidade na medida em que ficar claro a agenda de reformas do país, que deverá ser apresentada pelo Governo do Presidente Eleito Jair Bolsonaro. Tal agenda somente ficará clara em meados de fevereiro de 2019, antes será especulação.


É importante lembrar que a eleição de Bolsonaro, não foi uma eleição de pauta econômica. Se a discussão da “escola sem partido”, dominar o debate político, as reformas econômicas não irão prosperar. A sua eleição se deveu há uma série de fatores, pautas morais, de valores, contra a corrupção e por políticas de segurança efetivas. Vamos aguardar, e que venha 2019, com grandes e positivas mudanças. Somente com elas, as reformas o Brasil será uma nação mais competitiva.

Gostou? Compartilhe