Servidora é nomeada diretora do Hemopasso

Governo do Estado assumiu a gestão do serviço prestado pelo Hemopasso nesta quarta-feira (2). Serviço continua interditado

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O governo do Estado, através da Fundação Estadual de Produção e Pesquisa em Saúde (FEPPS) assumiu oficialmente nesta quarta-feira a gestão do Hemocentro de Passo Fundo (Hemopasso). Para oficializar a transferência, a diretora-presidente da FEPPS, Irene Porto Prazeres e a diretora do Hemocentro do Estado do Rio Grande do Sul (HEMORGS), Marisa Martinelli Meruvia, estiveram na unidade e também na 6ª Coordenadoria Regional de Saúde para negociar a liberação. Elas também convidaram pessoalmente a servidora do Hemopasso, Claudete Mistura Dóro, para dirigir a unidade de Passo Fundo nesta nova fase. Claudete, que é servidora do quadro desde a fundação do hemocentro - há 18 anos - era coordenadora dos laboratórios. Ela é formada em biologia e especializada em hemoterapia. 

Claudete comentou que essa é a primeira vez que uma servidora técnica ocupa o cargo. “É um desafio grande, mas eu aceitei porque eu confio na minha equipe, que foi treinada por mim”, disse. A unidade tem 38 servidores concursados. Com o convênio, eles permanecem no Hemopasso, com salários pagos pelo Município, mas com ressarcimento do governo Estadual. Além destes, também há nove funcionários terceirizados, que trabalham nos setores de recepção, telefonia, segurança e lancheria. Para completar a equipe técnica, a nova diretora espera contratar mais nove funcionários.

Recuperar a confiança

A nova diretora ressaltou que um dos desafios que terá pela frente é a recuperação da confiança dos doadores. “Estamos interditados há quase duas semanas e neste tempo deixamos de realizar as doações de sangue. O Hemocentro passou por várias crises, que foram difíceis de superar. Agora teremos que superar mais esta assim que conseguirmos reabrir o setor de doações e processamento de sangue”, avaliou. 

Gostou? Compartilhe