Sindicância vai apurar desentendimento entre motoristas

Fato foi registrado por passageiro que estava na parada de ônibus, no centro da cidade

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A direção da Codepas anunciou a abertura de uma sindicância para apurar o incidente  em que um motorista da empresa   quebrou o retrovisor de um caminhão, utilizando uma marreta de madeira após um desentendimento no trânsito. O caminhoneiro revidou e também danificou o espelho do ônibus. O fato aconteceu quinta-feira, na avenida Brasil, centro, e foi filmado por um popular. O vídeo postado das redes sociais já teve mais de 16 mil acessos. O caso foi registrado na polícia. De acordo com o diretor da empresa, Tadeu Kazerscki, o trabalho deve ser concluído em até 30 dias. “Temos uma comissão de sindicância permanente, vamos reunir a documentação, as ocorrências para investigar o que realmente aconteceu” afirma.

Presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes Coletivos Urbanos de Passo Fundo (Sindiurb), José Duebber, a entidade não compactua com a atitude do motorista, mas pretende  colocar o departamento jurídico da entidade à disposição para que ele possa se defender. “Foi uma atitude errada, mas reflete o nível de estresse que estes trabalhadores vêm enfrentando no dia a dia. Ele tem todo o direito de defesa” diz Duebber. A reportagem tentou ouvir a versão do caminhoneiro, mas não conseguiu contato através do celular.

Entrevista – Valdecir Dickel Machado, 42 anos

“Fui crucificado vivo
Motorista da empresa Codepas há 15 anos, Valdecir Dickel Machado, responsável pela linha Italac – Universidade,  disse ter levado um susto na sexta-feira, com a repercussão do vídeo postado nas redes sociais, em que aparece quebrando o retrovisor do caminhão, durante a confusão de quinta-feira. Ontem à tarde, ele conversou com a reportagem de O Nacional e contou sua versão dos fatos.

ON – O que levou o senhor a tomar aquela atitude ?
Motorista – É preciso esclarecer os fatos desde o início. Eu trafegava no sentido bairro-centro. Após sair de uma parada em frente ao colégio IE, já havia alinhado o ônibus na pista, quando o caminhão se aproximou. O motorista acionou a buzina e jogou o caminhão em cima do ônibus. Como havia uma caminhonete estacionada, parei para não bater. Ele quebrou a ventarola do ônibus  e seguiu adiante. Dei sinal de luz para parar, mas não adiantou. Após largar alguns passageiros na parada seguinte, ficamos lado a lado na sinaleira da Coronel Chicuta. Insisti que  havia danificado o ônibus da empresa e que precisava parar e registrar a ocorrência. Neste momento, começou a me ofender com palavrões. Na parada do Banco do Brasil, ele ficou  ao meu lado, continuei pedindo para descer. Quando abriu o sinal, percebi que ele iria fugir, então decidi quebrar o retrovisor dele com o martelo para evitar a fuga.

ON – E o que aconteceu depois?
Motorista – Ele desceu com uma barra de ferro e passou a atingir o ônibus. Fiquei no veículo para evitar mais confusão. Tenho testemunhas que presenciaram todo o fato. O nível de estresse foi muito alto na hora, não tive como controlar.

ON – O vídeo repercutiu nas redes sociais?
Motorista- Levei um susto quando abri meu facebook na sexta-feira. Só no youtube tinha mais de 16 mil acessos. O telefone da minha casa não parou de tocar um minuto.  Minha vida se transformou num pesadelo. Estão me crucificando vivo, sem ao menos saber o que realmente aconteceu. A pessoa filmou uma parte da história e jogou na internet.

ON – O senhor está arrependido de ter tomado aquela atitude?
Motorista – Nestes 15 anos que dirijo me envolvi apenas em situações corriqueiras, nada grave,  claro que me arrependi, mas o nível de estresse na hora foi muito grande.  Na nossa profissão enfrentamos situações de tensão a todo o instante, como o trânsito, cumprimento de horários e  riscos de assaltos. Assim como vários colegas, já precisei me afastar em razão do estresse.

Gostou? Compartilhe