Sindicato realiza panfletagem em defesa do SUS

Ação aconteceu na Praça Marechal Floriano e teve como objetivo conscientizar a população sobre os impactos causados pelos cortes de verbas públicas destinadas à saúde

Por
· 2 min de leitura
Voluntários distribuíram panfletos e conversaram sobre a importância da manutenção do Sistema ?snico de Saúde

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Com panfletos informativos em mãos e uma barraca montada na Praça Marechal Floriano, estudantes, lideranças sociais e entidades sindicais do município promoveram um dia de mobilização em defesa do Sistema Único de Saúde (SUS). A ação aconteceu no decorrer de toda a quarta-feira (27) e foi promovida pelo Centro de Educação e Assessoramento Municipal (CEAP), Conselho Municipal de Saúde e Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos em Serviços de Saúde de Passo Fundo e Região (SindiSaúde).

 

De acordo com o coordenador executivo do CEAP, Valdevir Both, levar à população informações sobre a importância do SUS para a vida de toda a sociedade e os impactos negativos causados pelos cortes de verbas públicas destinadas à área da saúde foram as duas pautas principais do ato. “Nossa luta é contra o desmonte da saúde pública e pela revogação da Emenda Constitucional n° 95, que foi aprovada em 2016 pelo governo Temer e limita os gastos públicos por duas décadas. Só neste ano, o congelamento vai impactar em um corte de R$ 9 bilhões no orçamento federal destinado à saúde. Ao longo dos 20 anos, a saúde vai deixar de receber mais de R$ 400 bilhões”, defende.

 

“A outra pauta é contra a desindexação de gastos obrigatórios que vem sendo defendida pelo governo Bolsonaro. Atualmente, a lei fixa a obrigatoriedade de que 15% do orçamento da União, 12% do Estado e 15% do Munícipio seja investido na saúde. A EC já impactou esses valores e, agora, o governo quer ainda acabar com a obrigatoriedade desse investimento. Eles chamam de ‘desvincular as receitas das despesas’, quando na verdade isso serve somente para desfinanciar o SUS”, Both explica. Ainda segundo ele, a principal consequência dessa proposta é a precarização de serviços oferecidos por hospitais, centros hospitalares e Unidades Básicas de Saúde que compõem o SUS. “O SUS abrange muitos outros serviços além do atendimento direto no hospital, mas nem sempre a comunidade se dá conta. SAMU é SUS, Farmácia Popular é SUS, núcleo de vigilância é SUS”, exemplifica.


No panfleto que foi distribuído aos pedestres que transitavam pela Praça, as entidades destacaram que, atualmente, o SUS representa 60% dos atendimentos realizados no Hospital de Clínicas de Passo Fundo e 72% dos atendimentos do Hospital São Vicente de Paulo. Além disso, segundo os dados informados, 75% da população brasileira depende unicamente do SUS e 90% de todos os tratamentos de câncer no Brasil são financiados pelo Sistema.

 

Conferência Municipal de Saúde
A panfletagem promovida na Praça Marechal Floriano integra uma série de pré-conferências que vêm sendo realizadas na cidade e que precedem a 12ª Conferência Municipal de Saúde de Passo Fundo. O encontro acontece nesta sexta-feira (29), a partir das 18h, e continua no sábado (30), das 8h às 18h, no auditório da Universidade Federal Fronteira Sul (UFFS), localizada na Rua Capitão Araújo, n° 20. Neste ano, a conferência tem como tema “Democracia e Saúde”. Os eixos que serão trabalhados são: Saúde como Direito; Consolidação do SUS; e Financiamento do SUS. O evento é aberto à comunidade.


Para o coordenador executivo do CEAP, as ações realizadas em bairros e espaços públicos de Passo Fundo são tão fundamentais quanto a conferência em si, já que promovem o acesso à informação de qualidade. “Nós entendemos que é muito importante ter um contato direto com a população, levando dados e explicando as propostas do governo, independente de candidatos ou partidos. Só assim mais pessoas conseguem entender a gravidade dessas medidas, porque a gente sabe que nem todo mundo participa da conferência. Embora ela seja aberta à comunidade, normalmente quem comparece são pessoas que já estão engajadas em ações ligadas à saúde”.

Gostou? Compartilhe