Sindicato tem expectativa de 800 novas vagas de trabalho no setor avícola

Segundo presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Alimentação, Miguel dos Santos, crescimento é motivada pelo crescimento na exportação da carne de frango

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A expectativa de crescimento na produção brasileira de carne de frango já apresenta reflexos positivos dentro do setor alimentício. De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Alimentação de Passo Fundo, Miguel dos Santos, cerca de 800 novas vagas de trabalho dentro do ramo devem ser abertas no município até junho deste ano. Ele atribui a geração de emprego a projeções positivas para o mercado de exportação, como as apresentadas em dezembro do ano passado pela Associação Brasileira de Proteína Animal. Segundo a entidade, as exportações de carne de frango devem crescer cerca de 6% neste ano, em todo o país.


Ainda conforme Santos, as vagas anunciadas estão diretamente ligadas à unidade local do frigorífico da multinacional Seara Alimentos, da JBS. Os cargos pertenceriam, principalmente, ao setor de fabricação da empresa. “No ano passado, eles já haviam nos acenado a possibilidade de formação de um terceiro turno de trabalho no frigorífico. Ainda era só uma especulação, mas agora ficamos sabendo que a empresa firmou novos contratos que, para que sejam cumpridos, necessitam da disponibilidade de produção em um terceiro turno. A exportação está crescendo e a fábrica no município não consegue comportar essa demanda somente com os trabalhadores que existem hoje – são em torno de 1900 empregos diretos. É preciso ampliar”, comentou.


Ainda de acordo com o presidente do sindicato que representa a categoria, funcionários já foram questionados se estariam interessados em trocar o turno de trabalho, sinalizando a confirmação de formação de um novo turno operacional. Além disso, a empresa estaria começando o processo de entrevista para preenchimento das novas vagas. A reportagm de ON tentou contato com a assessoria da Seara, mas até o fechamento desta edição não obteve resposta.


Investimento de R$ 1 bilhão

Em reunião com o governador Eduardo Leite, no início deste ano, diretores da Seara Alimentos anunciaram investimento de aproximadamente R$ 1 bilhão nas unidades gaúchas da empresa. Conforme o diretor Ivan Siqueira, a intenção é destinar em torno de R$ 640 milhões ao setor agropecuário – incluindo investimentos feitos pelos produtores para ampliação da capacidade de produção de frango, suínos e alimentos processados – e outros R$ 400 milhões para o setor industrial, a maior parte para a ampliação de unidades já existentes da Seara, incluindo a de Passo Fundo. Os investimentos devem ocorrer ao longo deste ano e em 2021.


A informação foi confirmada pelo secretário de Desenvolvimento Econômico de Passo Fundo, Carlos Eduardo Lopes da Silva. Ele alegou, no entanto, que não possui autorização para informar quanto do montante de R$ 1 bilhão pertence a investimentos destinados ao município. “Isso ainda está sendo definido. O que podemos confirmar é que estão sendo pré-anunciados investimentos na planta com possibilidade de aumento na produção. Não se sabe, por enquanto, se haverá a criação de um novo turno ou novas contratações, mas há sim essa previsão. Muito provavelmente a empresa também firmará a parceria com novos produtores rurais para fornecimento de frango. Está em tratativa”, esclareceu.


Aumento salarial

Além da geração de novas vagas, o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Alimentação espera conseguir até maio o reajuste salarial da categoria. “Tivemos uma reunião nessa segunda-feira em Porto Alegre e, nos próximos dias, vamos encaminhar a pauta para organizar uma nova assembleia e discutir o aumento. Nossa reivindicação é um reajuste proporcional à inflação do período mais três por centro de ganho real para todos os trabalhadores, com piso salarial de R$1.600,00. Também esperamos manter os benefícios que já estão firmados em acordo coletivo, como a participação no lucro e o direito a vale-transporte e auxílio-escolar”, adiantou o presidente.

Gostou? Compartilhe