Stadtbus é desclassificada em edital do transporte público

Empresa terá prazo de cinco dias para recorrer da decisão

Por
· 2 min de leitura
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Stadtbus, empresa de Santa Cruz do Sul, que disputava o processo com a Coleurb, foi desclassificada por não atender três requisitos expressos no documento. O processo licitatório seguem em andamento. A empresa terá prazo de cinco dias para recorrer da decisão.


A ata 02 de concorrência pública, assinada pelo presidente da Comissão, Laércio Boscatto, justifica a decisão de reprovar as planilhas enviadas pela empresa de Santa Cruz do Sul pela incompatibilidade no orçamento apresentado. Na tabela de custos e formação de preços, a Stadtbus informou o valor de R$ 144 por funcionário. Os veículos em Passo Fundo, porém, operam com cobrador e motorista, tornando o "valor do plano de saúde por veículo igual a duas vezes o valor do plano de saúde por funcionário". Caso houvesse a substituição dos montantes correspondentes ao plano de saúde dos rodoviários, haveria uma mudança significativa no valor final da tarifa sugerida pela licitante, que passaria de R$ 3,93 para R$ 4,03. A Coleurb apresentou a proposta de R$ 3,97 para o preço do transporte urbano.


As regras previstas no edital determinam que o menor valor postulante é um fator de determinação para declarar o consórcio vencedor. A Prefeitura Municipal, no entanto, esclareceu que o processo de licitação do transporte coletivo ainda não chegou ao final. "A decisão da Comissão de Licitações decorre da análise técnica das propostas e dos documentos apresentados, facultado às licitantes, no prazo de 5 dias, a apresentação de recurso", diz a nota enviada pelo Poder Público. "Com a análise e o julgamento dos recursos apresentados, seguirá a fase de habilitação, quando serão analisados os documentos para comprovação da capacidade técnica das licitantes para contratarem com o Município", enfatiza o comunicado.


Até o fechamento dessa edição, a empresa Stadtbus não retornou o contato da reportagem do jornal O Nacional sobre a possibilidade de recorrer ou não ao parecer preliminar.


A Coleurb
A Coleurb avançou para a próxima fase classificatória que delibera sobre o novo edital do transporte coletivo urbano publicado, no dia 10 de julho, pela Prefeitura Municipal de Passo Fundo. O parecer técnico emitido pela Comissão Permanente de Licitações e Julgamento foi divulgado, no início da manhã de quarta-feira (04), com a análise das propostas de preço apresentadas pelas duas empresas licitantes.


Entenda o processo de licitação
Desde 2013, a Prefeitura Municipal de Passo Fundo iniciou uma proposta de remodelação do transporte coletivo no município através de audiências públicas realizadas em diferentes regiões e com distintos segmentos da sociedade civil. A partir da aprovação da lei, pela Câmara de Vereadores, do Marco Regulatório do Transporte Coletivo Público, em 2016, a empresa porto-alegrense Matricial foi contratada pelo órgão municipal para a elaboração de um inventário do sistema atual e a demanda a ser explorada, pesquisa de campo, modelagem e alternativas de sistemas para elaborar a minuta do edital e o contrato.


Em 2017, o Município lançou um novo edital de licitação, em que somente uma empresa se credenciou e foi habilitada. Logo após a habilitação, outras duas empresas fizeram uma representação junto ao Tribunal de Contas do Estado (TCE/RS), alegando imperfeições no edital ingressando com um pedido liminar para suspender o processo licitatório. Em agosto do ano passado, o TCE acatou a representação e solicitou ao Município a elaboração de um novo documento, publicado em julho deste ano.


A Transpasso ingressou com uma nova ação na Justiça comum e junto ao TCE solicitando um novo cancelamento do processo de licitação do transporte coletivo com a alegação de "vícios pontuais no edital". O pedido ainda não foi analisado pela Justiça.

Gostou? Compartilhe