OPINIÃO

Superboy

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Os meus primeiros treze anos (1957-70) foram vividos em Cruz Alta, infância-adolescência, de milhares de recordações. Entre tantas, ocorreu-me a leitura dos gibis da Disney, onde eu tinha medo do Mancha Negra e os super-heróis da EBAL (Editora Brasil-América Limitada), que tinha laços publicitários com a editora argentina Editorial Abril de César Civita, irmão de Victor que viria criar em 1950 a Editora Abril, em São Paulo. A EBAL era tudo de bom desde que em 1947 havia lançado Superman, tinha tiragem de até 150 mil exemplares e 40 títulos mensais. A gente lia de tudo, Tarzan, Cavaleiro Negro, Buffalo Bill, Kit Carson, Buck Jones, Roy Rogers, Mandrake, O Príncipe Valente, Batman, Zorro... Meu preferido era O Fantasma e seus mistérios “o espírito que anda”.
Depois surgiriam Thor, O Capitão América, O Homem de Ferro, O Incrível Hulk, Namor, o Príncipe Submarino, todos da Marvel Comics e lançados no Brasil em 1967 com grande campanha publicitária. Meus irmãos e eu ganhamos camisetas com as estampas dos novos heróis; a minha era do Homem de Ferro, meu irmão Renato tinha Capitão América, Binho tinha Thor, enfim é o que a lembrança me traz.


Em dado momento surgiu a edição de Superboy e ficamos confusos porque havia dois, Superman-Superboy que pareciam ser diferentes. Não sabíamos que um era a infância do outro. Alguém de meus mentirosos amigos revelou que tinha um exemplar em que os dois se enfrentavam. Quem vencera? O dissimulado amigo não contava. Estabeleceu-se a celeuma. Afinal, quem venceria esse confronto? O Superman ou Superboy? O homem ou o menino?


Numa lembrança de gibis de há mais de cinquenta anos podemos abordar a questão da luta que travamos entre os homens que somos e os garotos que deixamos de ser. Em alguns momentos de nossas vidas o garoto se manifesta: num grito de gol, numa festa entre antigos parceiros, ao ouvir músicas dos nossos tempos. Nesses instantes sublimes e inocentes brota o melhor de nossas essências, quase o contrário da pele cascuda do homem feito, repleta de cicatrizes, marcas de lutas ferozes, de vitórias e derrotas, de alegrias e tristezas, de encantos e desencantos que moldaram o que somos. E o que somos? Sisudos, críticos, amargos; perdemos o brilho dos olhos, o preto dos cabelos, a cadência das artériase, muitas vezes, o gosto pela vida. É a vida e a rigidez que nos é imposta. Às vezes, maciamente, o Superboy que nos habita se manifesta e somos felizes novamente porque protegidos pela capa-armadura da inocência nos permitimos ficar extasiados com pouca coisa.


É, quero dizer que também tenho um gibi secreto de Superman em que Joe Shuster e Jerry Siegel (seus criadores) contam o encontro beligerante entre ele e Superboy. Nele é narrado que Superboy vence; vence pela pureza, pela inocência, pelo encantamento. A criança que nos habita deveria ser libertada mais frequentemente porque, pelo menos, em alguns instantes,ficamos mais próximos da imagem do Criador.

Gostou? Compartilhe