OPINIÃO

Tabagismo é doença de adulto ou pediátrica?

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O tabagismo causa dependência química como outras drogas quaisquer e está na Décima Revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID-10), no grupo dos transtornos mentais e de comportamento decorrentes do uso de substância psicoativa.

Além de tratar-se de uma doença, corrobora com outra meia centena de diferentes doenças incapacitantes ou fatais: infarto agudo do miocárdio, DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica), doenças cerebrovasculares, câncer e tantas outras.

Mata 5 milhões de pessoas anualmente no mundo. No Brasil são 200 mil mortes anuais. Se a atual tendência de consumo se mantiver, em 2020, serão 10 milhões de mortes por ano, culminando dessa forma com mais mortes do que a soma das mortes por alcoolismo, AIDS, acidentes de trânsito, homicídios e suicídios juntos.

Além das complicações do tabagismo ativo (direto no fumante) há a indesejável complicação de danos diretos às outras pessoas, ou seja, o tabagismo passivo (causado pela exalação da fumaça do cigarro do tabagista). No momento em que uma pessoa é submetida ao tabagismo passivo em ambientes fechados, têm um risco 30% maior de desenvolver câncer de pulmão, 25% maior de desenvolver doenças cardiovasculares, além de asma, pneumonia, sinusite, dentre outras. O tabagismo passivo é a 3ª causa de morte evitável no mundo e o maior responsável pela poluição em ambientes fechados.

Dando asas à imaginação poderemos dramatizar o triste espetáculo de uma mãe ou pai, ou outro qualquer, fumando no mesmo ambiente habitado por crianças, em fases ainda de formação dos delicados alvéolos de seus pulmões e as consequências futuras deste ato culposo. Ou, ainda, de forma mais objetiva e direta, uma gestante fumando e inalando os resíduos tóxicos que rapidamente atingem a circulação sistêmica da mãe e passando a barreira placentária comutam com o sangue do feto os produtos inalados pelo hábito nocivo.

Referente ao início do hábito tabágico os estudos assinalam para a idade dos 15 anos. Baseado nessas informações podemos afirmar que é um problema que deve ser encarado pelo pediatra.

Por outro lado, pode-se considerar uma doença de caráter crônica, com consequências de morbimortalidade tardia: assim encarada como doença da medicina do adulto.

Liberto das mazelas das classificações, enfim, podemos deduzir que se trata de uma doença, como tal deve ser tratada e abordada, por todos os médicos, independente da especialidade. E, de forma ainda mais ampla, com resultados satisfatoriamente maiores quando cuidada de forma multidisciplinar, trocando conhecimentos e ampliando saberes entre as áreas.

Vencidos os preconceitos e encarada como doença pelos profissionais é um vício difícil de ser banido, com recaídas não raras, porém com resultados compensadores quando diagnosticada e abordada de forma correta.

Julio César Stobbe é coordenador da emergência e vice-diretor médico do HSVP

Gostou? Compartilhe