OPINIÃO

Teclando

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Cigarra

Cauby Peixoto ultrapassou décadas cantando. As músicas mudavam e ele adaptava-se aos mais diferentes gêneros musicais. Bolero, samba-canção, jazz, bossa nova e muito mais. Foi o primeiro brasileiro a gravar rock and roll! Cantou em várias línguas e depois que gravou New York, New York, vamos combinar, deixou Sinatra para trás. Então, vamos aos meus superlativos. Ainda antes de iniciar em rádio (bota tempo nisso!), eu já dizia que o Cauby era o melhor cantor e a Elizeth Cardoso a melhor cantora brasileira. Uma dupla de intérpretes impecáveis. Em 1979, na discoteca da Planalto, encontrei a faixa O Surdo em um de seus discos. É uma aula de interpretação para sambistas e pagodeiros de todas as gerações. Nos altos e baixos da música, Cauby reencontrou o sucesso em 1980 com Bastidores, de Chico Buarque, em disco produzido pelo passo-fundense Tarso de Castro e o também gaúcho Luiz Carlos Maciel. Cauby tinha o hábito de chamar as pessoas de Professor. Mas foi ele quem nos ensinou bastante. Gostei muito da definição de Cauby dada pelo musicólogo Ricardo Cravo Albin: “Foi a última cigarra da música popular, porque morreu cantando”. 

 

Mijão
Madrugada de quinta para sexta-feira e um sujeito decidiu fazer xixi na calçada. E fez. Caprichosamente, bem no meio do passeio público na Independência. Tudo com a naturalidade como se estivesse no meio do mato. Mas os predicados do jovem cidadão não estavam limitados à arte de urinar em público. Carro estacionado com o som a todo volume, enquanto ele ficou com amigos bebendo na calçada. A noite foi longa para o ruidoso grupo. Entre gritos e goles, enfrentaram a madrugada. Como estava frio, certamente a sessão mijada teve repeteco. Afinal, não dá nada mesmo!

Placas
Passo Fundo ganhou novas placas indicativas de ruas. Agora, além do nome do logradouro, traz também uma informação sobre quem virou nome de rua. A proposta é excelente, pois permite conhecer um pouco sobre a nossa história. As novas placas estão substituindo aquelas que já estavam instaladas, basicamente na área central. Como as do modelo antigo estavam em bom estado, não seria mais interessante que as novas fossem instaladas em pontos onde não há placas? Com certeza teriam muito mais utilidade. Até porque há muitos locais sem nenhum indicativo de ruas.

Infratores
Se eu fosse guarda de trânsito ficaria no cruzamento da Avenida General Netto com a Moron. Quem vem pela Moron deve entrar na General Netto, em sentido à Brasil ou em direção à Independência. Pelo que está sinalizado, é proibido seguir em frente pela própria Moron. Mas muitos motoristas, especialmente motociclistas, não respeitam essa proibição. Em muitos casos colocam em risco quem está atravessando na faixa de pedestres. Aí está uma boa dica para um Azulzinho disposto a desfolhar o bloco de multas. Infratores abundam.

 

----------------------
Trilha sonora

É claro que hoje temos Cauby. Em 2006 ele participou da gravação do DVD MPB-4 40 Anos. A música não poderia ser outra: Conceição, de Jair Amorim e Dunga.

Gostou? Compartilhe