OPINIÃO

Teclando

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Talento

A abertura da Olimpíada matou a pau. Para superar a falta de recursos financeiros, entrou em cena a criatividade. A equipe, liderada pelo cineasta Fernando Meirelles, misturou o talento ao jeitinho brasileiro. O resultado foi um espetáculo que encantou, emocionou e ganhou elogios mundo afora. O foco, claro, era a cidade sede. O Rio de Janeiro, sempre invocado na música brasileira, ganhou a diversidade na trilha sonora. Foi da singela bossa ao funk, do afro-samba ao rap e propiciou uma gostosa salada em tons tropicais. Tudo servido pelo talento de vozes consagradas, que deram um tempero especial para um ambiente de muitas luzes e efeitos modernos. Do início ao fim, a música conduziu o espetáculo. O enredo teve doses de emoção e muita expectativa pelo final. Mas, ainda, mostrou a história e a atualidade, permitindo uma leitura comportamental. Um enredo digno de um Rio de Janeiro e seus contagiantes sambas-enredos.

14 Bis

É difícil escolher o que teve de melhor na abertura da Rio 2016. Mesmo assim, arrisco destacar dois momentos. Um deles foi o esplendor da elegância de Gisele Bündchen que, ao som de Garota de Ipanema, transformou o Maracanã na maior passarela do mundo. O outro foi quando a réplica do 14 Bis surgiu para lembrar uma grande invenção brasileira. E, para refrescar a memória nos dois hemisférios, o avião decolou enquanto tocava o Samba do Avião. Emoção com uma pitadinha de nacionalismo em uma dupla homenagem, reverenciando Santos Dumont e Tom Jobim. Dois criativos e talentosos brasileiros.

Fora de foco

A barulheira das noites de Passo Fundo continua. O problema é antigo e até agora ainda não foi solucionado. Nos últimos anos criaram algumas medidas para acabar com o problema, mas foram apenas paliativos. E a baderna continua. Graças a isso, hoje não podemos estacionar em determinados locais. Também enfrentamos restrições no horário de funcionamento das conveniências em postos de combustíveis. Criaram dificuldades e cercearam a vida de terceiros. E a baderna continua. Os baderneiros encontraram novos locais para estacionar e para comprar bebidas. A solução está no foco. E o foco deve estar nos baderneiros. Não em terceiros. Até porque, a baderna não apenas continua como também aumentou.

Dúvida

Ser ou não ser candidato? Concorrer ou não concorrer? Essas expressões demonstram a dúvida para ingressar na vida pública. Esse é o dilema de alguns candidatos e outros “quase” candidatos a vereador. Uns concorrerão, outros ainda não sabem e alguns desistiram. Pelo que ouvi de pessoas que foram convidadas a concorrer, a maior preocupação não é com a possibilidade de não se elegerem. Há uma enorme cautela em debutar na vida pública.

Trilha sonora

Em clima de Jogos Olímpicos, chegando ao Rio de Janeiro com a música de Tom Jobim, com Danilo Caymmi e Banda Nova: Samba do Avião. Use o link: http://migre.me/uArZC

Gostou? Compartilhe