OPINIÃO

Teclando

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Teclando

 Luiz Carlos Schneider

esportes@onacional.com.br

Lutzenberger

Frio em maio, calorão em agosto. Pelo que conhecemos sobre as quatro estações, isso é um desastre. Então, compreendemos que o mundo está mudando. Para melhor ou para pior? Muda nos dois sentidos e até parece que haveria um equilíbrio entre as forças do bem e do mal. Se por um lado comemoramos a evolução tecnológica, pelo outro lamentamos a agressão ao planeta. E não podemos colocar a culpa na própria natureza e nem atribuir responsabilidades às ocultas forças do mal. Não é ficção. Nessa triste realidade só há um culpado: o ser humano. O mesmo homem que constrói, também destrói. É o ser racional que salva e que mata. Uma criatura que propaga a paz e a guerra entre seus semelhantes. Em forma caricata, é um gafanhoto com seu rastro de devastação. Parece um vingador do futuro, que vai deixando as próximas gerações sem oxigênio e água potável. Estão surpresos com as mudanças climáticas? Ora, lá por 1970, José Lutzenberger já alertava sobre essas consequências. Foi quando conhecemos as expressões ecologia e meio ambiente. Parece-me que poucos assimilaram as suas palavras. Talvez agora, sentindo na pele as consequências, concordem que Lutzenberger tinha razão.

Maresia

O veranico de agosto mexeu com a natureza. Árvores floridas, rinite alérgica e roupas de verão. Assim foi na tarde de sábado em Passo Fundo. Mas o calor também influenciou o comportamento noturno. Os baderneiros deixaram seus casulos de inverno para borboletear pelo centro. Condições climáticas ideais para esparramarem-se pelas calçadas e canteiros. Até ao amanhecer, tivemos gritarias e bebedeiras dignas dos melhores verões. No domingo pela manhã sentimos que em Passo Fundo temos maresia. É aquela maresia vinda das portas e vitrines, com um carregado e inconfundível cheiro de urina.

Busato

Aos 86 anos, o amigo Celso Busato abandonou o júri da vida. Seu legado fica na história do Tribunal do Júri no Rio Grande do Sul e da Faculdade de Direito da UPF. Tive o privilégio de ser seu aluno e, mais do que isso, privar da sua companhia. Quando falamos em Celso Busato vamos das causas aos causos. As principais histórias são dos júris, onde sua brilhante oratória era a mais pura e talentosa arte cênica. Mas tinha um lado bon-vivant e circulava pelos mais diferentes ambientes. E aí, sim, não faltam histórias. Dentre os grandes amigos de Busato está Alberto Tagliari que, com certeza, sabe muitas dessas histórias para nos contar.

Difícil

A eleição para vereadores não é nenhuma barbada. Passa pela distribuição das vagas entre coligações ou partidos e depois pela votação de cada candidato. Isso significa concorrência externa e interna. Entenderam porque os candidatos andam a mil por aí?

Trilha sonora

Aos 94 anos, morreu Toots Thielemans. Nascido na Bélgica, era uma lenda da gaita e acompanhou grandes intérpretes. Teve forte ligação com a música brasileira e gravou um disco com Elis Regina. Com a gaita cromática interpretou a trilha de Perdidos na Noite: Midnight Cowboy.

 

Gostou? Compartilhe