OPINIÃO

Teclando

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Chateando

Não quero ser chato. Muito menos o próprio. Mesmo porque falar de chato é uma chatice. Mas não dizer nada sobre os chatos seria permitir ser achatado. Chato é tão chato que é difícil encontrar uma definição adequada. É bem mais fácil identifica-lo. Para o chato não tem hora ou local, pois será um chato em qualquer circunstância. Uma característica indissociável do chato é classificar as outras pessoas como chatas. O chato sempre conta alguma história sobre alguém, dizendo que o cara é um chato. E ouvimos sabendo que o chato é o próprio com quem estamos conversando. Dizer que alguém é chato, parece confortável ao próprio chato. Para o chato é terapêutico falar que outra pessoa é chata. E não podemos dizer nada, nem pra chatear. Espero que ninguém fique chateado. Até porque chato chateado fica ainda mais chato.

Maionese I

No futebol, quando tudo dá certo é uma maravilha. Mas quando a maionese desanda ninguém mais segura. Este ano desandou a maionese no Vermelhão da Serra. Houve uma sucessão de erros que provocou um efeito dominó. A contratação de pessoas inadequadas para funções cruciais desencadeou o processo. A inoportuna troca de técnico teve o efeito de uma implosão. Com o time mal em campo, os resultados negativos atingiram as bilheterias. Nos últimos jogos do Passo Fundo, na beira do gramado o clima era de velório. Uma decadência que culminou com o rebaixamento iluminado pela lanterna.

Maionese II

Sem arrecadação e com patrocínio limitado, além do tombo em campo, o time do Vermelhão opera no vermelho. Nos moldes sartorianos, foi parcelado o pagamento de atletas e funcionários. Agora o futebol é uma grande incógnita. Copinha? Nem falar. E como disputar a Divisão de Acesso em 2018, sem os recursos distribuídos para a Primeira Divisão? No mínimo, complicado. O momento é muito delicado e exige uma reação. Se houve erros está na hora de assumi-los. Agora as circunstâncias exigem a unidade interna. E muito cuidado para que diferenças ou vaidades não azedem ainda mais a maionese.

Capa branca

A cerveja sempre esteve associada aos alemães. Mas, cá entre nós, é brasileiríssima. A loira gelada encaixou-se como uma luva no clima tropical. Houve uma época em que cada região tinha a sua própria cervejaria, quando a preferência era puro bairrismo. Em Passo Fundo a Brahma, em Getúlio Vargas a Serramalte, em Estrela a Polar, em Caxias do Sul a Pérola e assim por diante. Hoje temos um festival de marcas e rótulos nas prateleiras. As grandes marcas oferecem mais opções e ganharam a companhia das artesanais. Assim como ocorreu com o vinho, o brasileiro ficou mais exigente em relação à cerveja. As pequenas cervejarias estão reassumindo um espaço que já foi das fábricas locais. Temos uma excelente combinação: opções e consumidores. Com colarinho, lógico.

Trilha sonora

Nos anos 1960 a 1980, a música europeia marcava presença no Brasil. Leia-se música italiana e francesa. Em 1975 um dos mais ouvidos foi o francês Joe Dassin: Et Si Tu N'existais Pas

Use o link ou clique o QR code

http://migre.me/wA3FQ

Gostou? Compartilhe