OPINIÃO

Teclando

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Nosso cenário

 Na escola nos ensinaram que temos verão, outono, primavera e inverno. Aqui em Passo Fundo, área subtropical, temos as quatro estações bem definidas. O clima é classificado como temperado, porém o ideal seria dizer que é bem temperado, pois no verão suamos de calor e no inverno trememos de frio. Mas entre esses extremos estão as estações intermediárias, o outono e a primavera. No outono nos encantamos com um cenário único: as folhas douradas nos plátanos da Praça Tamandaré. Já na primavera, abundam árvores floridas por todos os lados. Lindo né? Mas, juntamente com esse colorido encantador, outono e primavera trazem variações bruscas de temperatura. O ar seco do outono e o ar primaveril provocam espirros, resfriados e alergias. Mesmo assim, nós não temos o que reclamar da paisagem. Entre um espirro e outro, observe a beleza das folhas em tom pastel levadas pelo vento.

Baderna I

Aumentaram as ações do poder público para conter a baderna nas noites passo-fundenses. Um trabalho que será ainda mais eficaz quando vigorar a lei que proíbe o consume de bebidas alcoólicas em vias públicas. Mesmo assim, a situação vai ganhando novos e perigosos contornos. Vai além do barulho e da bebedeira, pois já queimam pólvora. De quem é a culpa? Ora, os principais culpados são os próprios baderneiros. É uma questão comportamental. Resolveram beber nas calçadas e, assim, virou moda. Um hábito que deu início à baderna, um quadro que noite a noite vem piorando.

 Baderna II

É claro que a instrumentalização do poder público será essencial nessa luta. Mas não é apenas isso, pois a solução não virá num passe de mágica. A questão está em outras duas pontas: baderneiros e fornecedores. Para os baderneiros o remédio deve partir do berço: educação. Na outra ponta estão os vendedores do kit tragédia, que compõem a bebida acessível dos baderneiros. Ao invés do fechamento de pontos de venda, ocorre o contrário. Ali, no olho do furacão, surgiu mais um local oferecendo o kit tragédia. Ora, isso é no mínimo irresponsabilidade. É a sociedade remando contra a própria sociedade.

Bolso

Sábado, véspera do Dia das Mães, tinha movimento nas ruas e muita gente nas lojas. Os presentes foram comprados, mas isso não significa que houve um grande faturamento. Pelo que pude ouvir nas lojas, a maioria optou por adquirir presentes mais acessíveis. Por um lado foi positivo, pois as pessoas não deixaram de comprar. Por outro, foi negativo porque gastaram menos. Não é necessário um tratado de economia para entender que isso é normal. O gasto é proporcional ao tamanho do bolso.

 Antônia

Alguém sabe o que é uma ansiedade coletiva? Pois passamos por isso nos últimos meses aqui na redação. Uma ansiedade que acabou na noite de sexta-feira passada. Enfim, Antônia chegou! Linda e paparicada por todos, raiou com ares de princesa. Agora vivemos uma alegria coletiva. Mas nada que se compare aos imensuráveis sorrisos da Cissa Battistella e do Antônio Carlos Mira. Bem-vinda, Antônia. Beijos.

Trilha sonora

Bons tempos em que a música italiana era ouvida por aqui. Foi assim em 1970, quando Guido Renzi gravou Tanto Cara.

Use o link ou clique o QR code

http://migre.me/wCdsm

 

Gostou? Compartilhe