OPINIÃO

Teclando

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Canja de galinha
A fragilidade institucional é porta aberta para o oportunismo dos desajustados sociais ou dos desequilibrados mentais. O esmigalhar da sociedade inicia quando a brutalidade não admite a sensibilidade. É o momento em que a ignorância afronta o conhecimento e o retrocesso ameaça a evolução. A incompetência ganha espaço e sufoca o talento, enquanto o preconceito não suporta a realidade. Em momento de fragilidade da sociedade, além da lógica e do bom senso, não pode faltar cautela e canja de galinha. Brutalidade, ignorância, retrocesso, incompetência e preconceito representam a volta às cavernas. Sensibilidade, conhecimento, evolução, talento e compreensão da realidade estão afinados com a modernidade. Ora, como seres racionais, seguimos em constante interação na busca do desenvolvimento coletivo. Mas, infelizmente, parece que alguns já se esqueceram dos objetivos principais da humanidade: o bem comum e a paz social.

Pitaco vegetal
Pouco conheço sobre botânica ou biologia vegetal. Então, mesmo pisando em ovos, vou dar um pitaco. Nas praças e avenidas, observo muitas árvores com uma cobertura de folhas diferentes às suas. Tenho a leve impressão de que estariam tomadas por parasitas, dentre eles a erva-de-passarinho. Esses parasitas sugam a seiva dessas árvores. Imagino que, depois de enfraquecidas, seus galhos acabam apodrecendo, ficam encharcados e caem após uma chuvarada. Se os parasitas fossem retirados, a vida desses seres poderia ser prolongada? Alguém com conhecimento sobre plantas poderia salvá-las? Até porque, além de encantadoras, essas frondosas árvores enchem nossos caminhos de oxigênio. Seria, no mínimo, um gesto de reconhecimento dos racionais.

Daltônico?
Não tenho mais visto azuizinhos nas ruas de Passo Fundo. Em compensação, vejo carros estacionados em fila dupla e, especialmente, parados em locais proibidos. Mas não vejo azuizinhos. Vejo muitos veículos intrometidos nas áreas de paradas de ônibus. Além de exigir manobras dos motoristas dos coletivos, também acabam causando um rebuliço na sequência do tráfego, pois uma pista fica com o fluxo interrompido. Também vejo carros e motos fazendo retorno em locais proibidos. Isso acontece, por exemplo, na Avenida Brasil em frente ao Comercial. À noite, quem vem do Boqueirão faz o retorno na esquina da General Netto. Tudo numa boa. Então, como não enxergo mais os azuis, retornarei ao consultório do Dr. Eduardo Ventura para refazer o Teste de Ishihara.

Repassando
Parece que a Velhinha de Taubaté e Eremildo assumiram o controle do WhatsApp, pois as pessoas acreditam em tudo aquilo que recebem. E, lembrando o Sílvio Santos, reeditaram o programa Passa e Repassa. Então também vou repassar, mas nada de fake news, porque o bom humor é bem mais salutar do que a mentira. Recebi essa: “Aniversários fazem bem à saúde. Estudos recentes mostram que pessoas que fazem mais aniversários vivem mais”.

Trilha sonora
Reunindo grandes músicos do Azerbaijão, o grupo Ans Bizimkiler em um clássico de Ray Charles: Hit the Road Jack
Use o link ou clique
https://goo.gl/R7RZUF

Gostou? Compartilhe