OPINIÃO

Teclando

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A virada

Um novo ano traz uma carga forte de sentimentos. Numa simples troca de data, depositamos as mais diversas expectativas. Assim, quando esperamos pelo novo estamos ansiosos pelas novidades que estão chegando. Neste salto de um ano para o outro, somos aventureiros prontos para explorar o desconhecido. É o inesperado que está vindo, o inusitado que está acontecendo. E é exatamente ali, naquela virada, onde parece que tudo mudou. E muitas coisas mudam de fato pela força da nossa própria energia. Isso, claro, é um otimismo contagiante. Mas se a cada novo ano tudo melhorasse, já estaríamos no paraíso. Se em todas essas viradas jogamos fora aquilo que não presta, de onde vem tanta maldade? Se tudo melhora nos anos que chegam, por que os problemas persistem? Ora, o Réveillon não faz milagres. É apenas um marco, um ponto de chegada e ao mesmo tempo de início. Compulsoriamente, estamos embarcando para mais uma viagem. Então, começar de novo!

 

 

Aprendizado

Ah, que ano louco foi 2018. É o que a gente escuta por aí. Mas e os anos anteriores também não tiveram acontecimentos marcantes? Um ano nunca será igual ao outro. Porém, com o passar do tempo, fica a impressão de que teriam sido a mesma coisa. Parece que ainda não aprendemos a lidar com o tempo. Isso que no presente podemos olhar para o passado e ficar de olho no futuro. Como era, o que é e o que será. Um ano começa e termina nos dando a chance de um grande aprendizado em 365 dias.

 

Bipartidarismo

No Brasil iniciam profundas mudanças políticas. São novidades que prenunciam o inusitado ou o inesperado, diante de condutas sociais já consolidadas em nosso meio. Mudanças exigem cautela e também geram incertezas ou, no mínimo, alguma preocupação. O que não podemos confundir é iminência com eminência, pois mudanças abruptas indicam extremismos. Não importa o lado, a divisão está escancarada. Aliás, não me lembro de um momento com posições tão extremas. Esse comportamento de oito ou oitenta poderá nos levar de volta ao bipartidarismo. Que prevaleça o bom senso.

 

Equilíbrio

Pelos búzios do Pai Magno, teremos em 2019 um ano muito movimentado. Mas ele também deixa claro que sob o comando de Xangô teremos justiça e equilíbrio. Como as previsões do Magno vêm sendo muito certeiras, isso já nos dá um alento para começar o ano.

 

Sicredi

Já é tradicional o encontro de final de ano com a imprensa promovido pelo Sicredi. Num rápido balanço, o presidente Ari Rosso apresentou os números que comprovam o grande crescimento da cooperativa. Chamou a minha atenção uma evolução patrimonial de 20% em apenas um ano. Isso é para poucos. Consolidado, o Sicredi não para de crescer.

 

Iracélio

Depois de transportar Papai Noel na véspera do Natal, Iracélio dedicou a semana seguinte à logística que garantiu os brinde no Réveillon. O Turcão, em rápida passagem pelo Oásis, disse que estava muito atarefado e nem pensou em ir à Brasília para a posse. Iracélio não troca o certo pelo duvidoso.

 

-------------

Trilha sonora

Sucesso dos anos 1970 na voz de Alcione, a música de Totonho e Paulinho Rezende ganhou muitas interpretações. Mas a de Cauby Peixoto é uma aula de cadência: O Surdo

Use o link ou clique o QR code

https://bit.ly/2EZYHgH

 

Gostou? Compartilhe