OPINIÃO

Temer ataca furioso

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Na linha de escoima, do denunciado presidente Temer, surge investida de marketing aliada ao direito de defesa. A denúncia por crime de corrupção passiva, apresentada pelo procurador Rodrigo Janot, que pede sua condenação, enumera prova periciada e depoimentos pessoais de delatores. E Temer irrompe do armário que escondia suposta fleuma diante das terríveis acusações que recebe. A fase de pasteurização de suas sempre perigosas relações com o crime organizado, misturada ao andar paciencioso em trilhas vicinais do “iter criminis” acabou definitivamente. Diante das pesadíssimas denúncias no mundo da propina tomou pessoalmente o báculo da defesa, seguindo antolho da expressão usada no direito francês, “n’y a pa possibilité de defendre sans attaquer” (não há possibilidade de defender-se sem atacar). Abortou a etapa. Valeu-se de estratégia perigosa de quem vive estertores de acusação. Ao lançar aleivosias contra a pessoa de Rodrigo Janot, decide apostar em efeitos de impacto com suas declarações que visam plantar dúvidas contra o procurador da República. Não se há de subestimar sua ousadia se considerarmos a posição de supremo mandatário do país.

Gravação

Desde o primeiro momento em que explodiu o escândalo com a delação premiada de Joesley Batista, surgiu a versão apressada do perito particular, Ricardo Molina. Contratado pela defesa de Temer insiste em parecer para contrapor o trabalho da perícia oficial que atesta inexistência de edição ou fraude nas gravações. Molina parece jogar para a torcida governista ao dizer que a gravação é imprestável como prova de acusação. Cita as dezenas de interrupções. Para qualquer profissional leigo, um repórter que usa gravador comum, é conhecido o dispositivo automático que, acionado, desliga no intervalo de silêncio. Religa quando o volume da conversa ativa o automático. O dispositivo era conhecido como “level control”, sistema semelhante ao relé que liga e desliga o aparelho. Molina mencionou a normal interrupção com insinuação de falsidade, ou manipulação. Na verdade sabe que a interrupção é normal e deveria explicar isso na sua versão. Adotou parecer sub-reptício.

Revelações

A perícia oficial, que era aguardada como chance de defesa, após dias de trabalho, revela novas facetas do diálogo macabro do Jaburu. Além de confirmar autenticidade da gravação, resgatou novas e gravíssimas revelações para a peça de acusação. O presidente esperava defeitos, mas foi confirmada a clareza da prova.

Há malas que vêm para o bem

A cena protagonizada por Rodrigo Rocha Loures (o íntimo), mais do que um trotar hilário, ao carregar a mala de propina em criminosa partilha, transformou-se em vergonha mundial. Esta evidência é prova escancarada demais. Ridículas são as explicações dos beneficiários da propina milionária. Se é difícil provar este tipo de crime, onde são utilizadas as farsas mais ardilosas, no caso há malas que vêm para o bem da verdade.

Autorização

Para que o Supremo Tribunal Federal possa julgar a denúncia, é necessária autorização do Congresso. E, hoje, Temer tem votos para rejeitar a autorização para processar o presidente. Ali, minha gente, é tudo farinha do mesmo saco. “Eiusdem furfuris”, como já se dizia no Império Romano.

Mobilização

A OAB Nacional já se manifestou pelo impeachment e opina pela renúncia de Temer. Pelo visto, só uma mobilização muito forte do povo poderá pressionar os deputados a aprovarem o processo de cassação no Supremo. Câmara Federal e Senado, que queremos de ilibados defensores do povo, hoje formam um poder contaminado pela corrupção. Dificilmente haverá 342 votos a favor da lisura no Parlamento brasileiro.

Retrocesso

Nas alegações de Temer e seus acólitos é citada a necessidade de preservar o prestígio do governo. A hora, no entanto, é grave demais. O essencial, no entanto, é salvar a sociedade e os direitos sociais, onde se inclui a confiabilidade de quem governa. Retrocesso é parar a democracia que pressupõe justiça. 

Gostou? Compartilhe