Terminal de Combustíveis retoma operações

Ipiranga funciona provisoriamente desde a última quinta-feira (29)

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Terminal de Combustíveis, instalado no Distrito Industrial de Invernadinha, em Passo Fundo, retomou o abastecimento dos caminhões-tanque. A empresa Ipiranga, que administra o local, ganhou uma liminar para funcionar provisoriamente. A decisão foi da desembargadora do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, Tânia Regina Silva Reckziegel. O Terminal, que abastece 137 municípios do Rio Grande do Sul e 66 municípios de Santa Catarina, foi interditado pela fiscalização do Ministério Público do Trabalho, no dia 14 de agosto, sob a justificativa de que o carregamento de combustíveis, realizado pelos próprios motoristas, oferecia graves riscos à saúde dos trabalhadores. 

Em nota, a empresa Ipiranga informou que o Terminal reiniciou as operações na quinta-feira (29) com base na decisão tomada pelo Tribunal Regional do Trabalho. A empresa afirmou que todas as providências estão sendo adotadas no sentido de restabelecer o atendimento dos municípios abrangidos por este pool nos próximos dias.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Transporte de Combustíveis, Raul Stadel, uma das justificativas da desembargadora para conceder a liminar favorável à empresa Ipiranga foi a preocupação com a falta de combustíveis, já que o polo de Canoas foi atingido pela enchente registrada nas últimas semanas. Mesmo assim, o sindicato não é favorável à decisão afirmando que o trabalho oferece riscos à saúde dos caminhoneiros que ficam expostos ao benzeno, que é uma substância tóxica, encontrada na gasolina. Esta substância é cancerígena e provoca sonolência, tontura e dor de cabeça.  “Defendemos que a empresa contrate os operadores capacitados”, disse Stadel.

Gostou? Compartilhe