OPINIÃO

Transferências dos padres

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As transferências dos padres é um tema complexo, pois envolve pessoas e a instituição Igreja. Misturam-se sentimentos do padre e dos paroquianos. Levantam-se dúvidas, aparecem medos, pois toda mudança gera insegurança. Também toda mudança é oportunidade de crescimento. Quem não se desafia ou é desafiado também não cresce. Nas transferências têm as necessidades e os projetos da Igreja, isto é o lado institucional. O ritual da Igreja para a “Tomada de posse do novo pároco” mostra claramente o que são as transferências e a missão do pároco.
Num primeiro momento o padre faz a Profissão de Fé e Juramento de Fidelidade. O processo formativo do padre prepara-o para compreender e aderir à fé professada pela Igreja. A adequada preparação permite que o candidato aceite e adira livremente ao que a Igreja professa e ensina, como também, o padre coloca-se à disposição da Igreja e da evangelização.
A posse se dá com a presença do bispo ou seu delegado. É feita uma Provisão através da qual o padre é enviado àquela paróquia. Ele não vai por conta própria, mas vai como enviado pela Igreja. A missão evangelizadora lhe é dada.
O novo pároco, na missa de posse, proclama do Evangelho. A tarefa primeira e prioritária do padre é anunciar o Evangelho. É ensinar o que a Igreja ensina, pois a fé é fruto do ensinamento.
Após a homilia na qual o bispo ou seu delegado reflete sobre a missão do pároco é feita a Renovação das promessas sacerdotais. Antes da ordenação sacerdotal foram feitas várias perguntas ao candidato e através delas fez várias promessas para realizar bem a sua missão. Um SIM dado um dia, somente se mantém como SIM, se for reafirmado frequentemente. Neste contexto o novo pároco renova diante da comunidade o que prometeu na ordenação.
Ao novo pároco é entregue a chave da Igreja. Colocado à frente de uma comunidade ele tem a missão de governar. Uma paróquia é composta de muitas pessoas, com dons e carismas diferentes. Agregar os fiéis em torno de projetos e causas comuns se torna uma tarefa diária. A Igreja para realizar sua missão tem bens materiais, administra recursos financeiros, emprega. A administração paroquial lhe é confiada.
O pároco administra os sacramentos, por isso na posse se destaca alguns. Indo até a Capela do Santíssimo ou até o Sacrário ressalta-se a centralidade do Sacramento da Eucaristia, fonte e ápice da vida cristã e de toda pastoral. Presidindo o Sacramento da Eucaristia, seja diariamente ou nas solenidades, o pároco estará alimentado com a Palavra de Deus e o Pão Eucarístico os fiéis a ele confiados.
O pároco é conduzido até o Batistério ou recebe símbolos batismais. É sua tarefa iniciar novas pessoas na vida cristã e administrar o Sacramento do Batismo que integra novos membros na Igreja.
Outra tarefa fundamental do padre é exercitar a misericórdia. Todos os membros da Igreja são pessoas frágeis, inconstantes, pecadores, experimentarão a doença e a morte. A Igreja, através dos Sacramentos da Penitência e da Unção dos Enfermos, cuida da fragilidade humana, além de estar junto aos doentes e celebrar as Exéquias. A cor litúrgica da misericórdia é a estola roxa.

Gostou? Compartilhe