Trecho entre Passo Fundo e Marau passa a se chamar Tarso de Castro

A lei que homenageia o jornalista passo-fundense foi publicada ontem no Diário Oficial do Estado de sexta (18)

Por
· 1 min de leitura
Jornalista Tarso de Castro

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O trecho da ERS 324 compreendido entre os municípios de Passo Fundo e Marau agora é denominado Rodovia Tarso de Castro. Aprovada pela Assembleia Legislativa, a lei foi sancionada na quinta-feira (17) pelo governador Eduardo Leite. O texto foi publicado na edição de sexta (18), do Diário Oficial do Estado (DOE).


O projeto foi proposto pelo então deputado Juliano Roso (PCdoB) e foi aprovado durante sessão de 18 de dezembro, por 43 votos favoráveis e nenhum contrário. Trata-se de um reconhecimento ao jornalista gaúcho, nascido em Passo Fundo, Tarso de Castro (1941-1991), um dos grandes nomes do jornalismo brasileiro, que atuou nas décadas de 60, 70 e 80.


Outra Lei estadual, de nº 12.505, de 23 de maio de 2006, denomina a Rodovia ERS-324 no trecho compreendido entre os municípios de Passo Fundo e Ronda Alta, de Rodovia Múcio de Castro, pai do jornalista homenageado.

 

Tarso de Castro
Boêmio. Provocador. Sedutor. Revolucionário. Apesar da vida breve, Tarso de Castro teve uma trajetória notória, e deixou sua colaboração ao jornalismo brasileiro. Dos ousados que se ocupam da difícil tarefa que é tentar definir sua personalidade, algumas características sempre sobressaem: o jornalismo, o álcool e as mulheres.


Filho do diretor e consolidador do jornal O Nacional, de Passo Fundo, Múcio de Castro.Foi o criador do caderno “Folhetim” da Folha de São Paulo. Foi também um dos fundadores do polêmico jornal O Pasquim, do qual foi editor por 80 edições, juntamente com Jaguar, Sérgio Cabral, Luiz Carlos Maciel, dentre outros.O Pasquim era um semanário alternativo de combate à ditadura militar.


Morreu em São Paulo, antes de completar 50 anos, de cirrose hepática. Sua biografia, Tarso de Castro -75 kg de Músculos e Fúria, escrita pelo jornalista Tom Cardoso, foi lançada em 2005 pela editora Planeta. Também em 2018, sua vida ganhou as telas com um documentário “A vida extra-ordinária de Tarso de Castro”, dirigido por Leo Garcia e Zeca Brito.

Gostou? Compartilhe