OPINIÃO

Tremor dos poderes

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?


Como se vê, a linguagem das ruas revela uma transformação de foco nas manifestações, eliminando paulatinamente a tendência passional partidária. Surge com evidência o movimento mais isento da influência perdedora das eleições e os manifestantes mostram-se centrados na anticorrupção. Assim, como observa Elio Gaspari, a decisão do ministro do Supremo presta um favor ao Senado ao afastar o presidente da alta câmara. Não se pode negar o efeito intervencionista de uma decisão monocrática, semelhante ao ocorrido com o afastamento de Cunha da Câmara Federal. Mais forte, no entanto, é o peso da história maculada do Parlamento que repete erro moral e ético ao eleger para a presidência do legislativo pessoas como Renan ou Cunha, crivados por acusações de condutas que o tornam incompatíveis com o exercício do cargo. A rigor, esta situação não tem solução sob a ótica da desejada lisura mínima que move a luta popular das ruas. O problema vem de longe, com ampla cumplicidade dos poderes políticos que sabiam quem é Renan. E, nas articulações de governabilidade ele teve inflado seu poder de manobra. É considerado pelo governo Temer (bastante fragilizado) como o mais poderoso representante a defender o projeto urgente do teto orçamentário. A decisão do ministro Marco Aurélio colocou no cenário do rumo político o inadiável entrave legal a Renan e seu poder, com base na definição do pressuposto da linha sucessória presidencial: quem é réu em ação criminal (neste caso) não pode permanecer na linha sucessória. O acatamento da ação contra Renan, pela Rede, não é fato inusitado. Inusitado é um político de proa com tanta fragilidade estar no poder. O ministro apenas apertou o gatilho de um disparo preconizado pelas condições de fato. O problema é que o tiro atinge a já exprimida governabilidade. E tudo pode descambar, como revelam esforços de temer para resolver o tremor entre poderes.

Fora da linha
A tendência é prosperar negociação que amenize a crise entre legislativo e judiciário, e que Renan permaneça no cargo, mas fora da linha de sucessão presidencial. O vice-presidente do Senado, Jorge Viana é um petista. Se isso complica ou não, também é parte da negociação.

Reforma
A previsão de reforma da previdência, no projeto encaminhado ao Congresso busca equilibrar o orçamento para o futuro. Basicamente é obedecer o princípio de gastar o que se arrecada. É controlar o que entra e o que sai do cofre. O risco é semelhante ao que aconteceu na Grécia, onde foram aprovadas vantagens históricas que acumularam prejuízos, com resultado de insolvência previdenciária. É claro que a reforma não toca em renúncias fiscais escandalosas, lucros dos bancos ou perdas por transferências internacionais por conta de gigantes mundiais assentados no Brasil. Outras medidas parecem razoáveis, como o aumento de idade de aposentadoria, pedágios e redução das pensões dinásticas. Os magníficos salários também poderão ser alvo de cortes na aposentadoria. Agora, o que parecia vantagem simpática parece orgia previdenciária. Isso tudo, no entanto, vai demorar, ainda que se espere seriedade no debate.

Retoques:
?No meio de tantas discussões, ouve-se, pela primeira vez, a preocupação de estender o direito adquirido no caso de aposentadorias consolidadas, que favorece também rendimentos menores.
?Está cada vez mais difícil de assimilar o sinal vermelho com a inviabilidade financeira de hospitais gaúchos na capital e interior.
?No movimento solidário pela tragédia da Chape, o povo colombiano deixa imenso ensinamento de humanidade. Falamos da força atávica de fraternidade com a perda de vidas. Além das condolências, as emoções de raiz traduzem um alerta contra a ação doentia das matilhas ou alcatéia de supostas torcidas organizadas que praticam violência nos estádios. O exemplo colombiano e tantas ações de solidariedade gritam ao mundo que o futebol é energia de paz!

Gostou? Compartilhe