OPINIÃO

Trigo no Brasil

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Ainda que não seja demasiado o exagero de rotular o livro “Cultivares de Trigo Indicadas para Cultivo no Brasil e Instituições Criadoras - 1922 a 2014” como “o catálogo dos catálogos das cultivares brasileiras de trigo”, entendendo-se por “brasileiras” tantos aquelas criadas em território nacional quanto estrangeiras introduzidas para cultivo no País, tampouco essas locução superlativa é suficiente para expressar a plenitude da dimensão de valor dessa obra. É mais que um catálogo, mesmo que exerça esse papel ao relacionar todas as cultivares de trigo que, entre 1922 e 2014, foram as protagonistas da construção da história da triticultura brasileira; quer seja pelo cultivo nas lavouras ou pelo uso em programas de melhoramento genético. Ao reler os originais, com a intenção de redigir as notas que dão forma o prefácio da obra, não pude deixar de perceber que, na verdade, tinha diante dos meus olhos a mais bem contada história do melhoramento genético de trigo no Brasil, entre todas as versões que, até então, me foi dada a oportunidade de conhecer.

Simples assim: a mais bem contada história do melhoramento genético de trigo no Brasil! Pois, que eu saiba, nenhuma outra obra reúne tantos detalhes e tamanha quantidade de informações sobre o caminho trilhado geneticamente pela triticultura nacional, até chegar ao padrão de excelência e competitividade dos tempos atuais, quanto esse livro. Há nele muito mais que meramente informações sobre cultivares e suas instituições criadoras. Essas vão desde: nome da cultivar; ano da criação/lançamento/introdução no País; unidade da Federação que foi indicada/cultivada, genealogia (cruzamentos); e instituição criadora, além de outras características botânicas e de interesse geral em agronomia e genética vegetal. Destaque foi dado aos principais avanços alcançados e os principais obstáculos superados via o melhoramento genético de cultivares em trigo no Brasil (tolerância ao Al, ciclo, resistência doenças/pragas, porte/arquitetura de plantas, qualidade tecnológica, etc.), sendo os devidos créditos datados e atribuídos a quem fez por merecer.

A leitura do livro permite a percepção de como foi construída a história do melhoramento genético de trigo no Brasil, com o reconhecimento de pessoas e instituições que deram contribuições relevantes. Pode ser visto, especialmente, como uma espécie de tributo à história daqueles pesquisadores que dedicaram uma vida melhorando geneticamente (aperfeiçoando) os trigos brasileiros e também àqueles que continuam a trabalhar nesse terceiro milênio, levando adiante o desafio de aumentar a produção de trigo no Brasil e no mundo.

O livro é mais que a história do melhoramento genético de trigo no Brasil (pessoas, instituições e cultivares), ainda que isso represente a sua essência. Ao retratar, como nunca antes, a origem das cultivares brasileiras de trigo e suas relações com outros trigos no mundo, mostra a formação e a diversidade do pool genético dos trigos nacionais, tornando-se leitura indispensável para quem se propor a fazer a ligação entre o melhoramento genético convencional, cujos frutos do passado e do presente tomaram a forma das 547 cultivares citadas nessa obra, com os novos métodos da biologia molecular.

Por fim, cabe dizer que o livro é a prova cabal da relevância que, em tese, sempre se atribuiu ao sinergismo que resulta da interação entre a senioridade, representada por Cantídio Nicolau Alves de Sousa, e a juventude, expressa na pessoa do pesquisador Eduardo Caierão, na boa prática científica. O primeiro pesquisador dedicou parte expressiva da sua vida profissional à construção dessa obra singular e o segundo teve a visão e a competência, deixando sua marca indelével, ao levar adiante, com o devido respeito e a merecida reverência pelo trabalho que havia sido previamente realizado, a tão aguardada atualização desse livro.

Gostou? Compartilhe