Voluntários atendem pedidos de quase 600 crianças

Prazo para apadrinhar cartas escritas por estudantes da rede pública de ensino, por meio da Campanha ?EURoePapai Noel dos Correios?EUR?, encerra na tarde desta sexta-feira

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A figura do Papai Noel como o bom velhinho que distribui presentes na véspera de Natal deve continuar viva no imaginário de, pelo menos, 600 crianças de quatro escolas da rede pública de ensino de Passo Fundo. É que, desde o dia 22 de novembro, as cartas escritas por elas em sala de aula, onde pedem ao “querido Papai Noel” presentes que vão desde brinquedos até materiais escolares, estão disponíveis para apadrinhamento na agência dos Correios da rua Moron, em Passo Fundo. Interessados em ajudar a alegrar o Natal dos pequenos, através da campanha Papai Noel dos Correios, ainda podem retirar as cartas na agência e entregar os presentes até o fim da tarde de hoje (6). A entrega dos pacotes acontece no dia 12 de dezembro, nas escolas apadrinhadas nesta edição: as estaduais do Hoje e Irmã Maria Catarina e as municipais Maria Dolores e Tio Patinhas.


Participando pela primeira vez da ação, na véspera de encerramento da campanha, a passo-fundense Tereza Almeida folheava as cartas que ainda não tinham sido adotadas – cerca de 20, das quase 600 recebidas na agência – em busca de alguém a quem ela pudesse ajudar. “Estou procurando uma criança que queira material escolar. Para mim, a educação é a base de tudo, e ela anda tão precarizada... Acho que, se cada um de nós fizéssemos nossa parte, ajudando pelo menos uma criança, já conseguiríamos uma grande mudança”, expõe. Mesmo com poucas cartas ainda disponíveis para adoção, não é preciso procurar demais para encontrar, entre pedidos de roupas e brinquedos, crianças que sonham em receber um kit com “lápis, borracha e apontador”, como descrevia de maneira esperançosa um dos participantes da campanha, um estudante de sete anos de idade, que garantia ainda ter se “portado bem” e “estudado bastante” ao longo do ano.


Estímulo à educação


Para receber essas cartas, os Correios estabeleceram parcerias com as Secretarias de Educação, a fim de trabalhar ações que envolvem o desenvolvimento da habilidade de redação, o endereçamento correto e o uso do CEP. “Nós sempre quisemos que, entre os propósitos da campanha, estivesse o estímulo à educação. Com essa parceria, temos a garantia de que as crianças participantes estão de fato frequentando o ambiente escolar”, explica a gerente da unidade, Maristela Werner. Depois de repassadas pelas escolas, as cartinhas são lidas e cadastradas pela empresa e depois disponibilizadas para o público através do site e nos pontos de adoção de cada cidade. Até o momento, mais de 36 mil cartinhas já foram cadastradas no Estado para a ação de solidariedade. São 91 pontos de adoção em 87 municípios.


Nesses locais, os padrinhos selecionam os pedidos que desejam adotar e depois entregam os presentes aos Correios para que, posteriormente, a estatal realize a distribuição. Encarregada de entregar as cartas e receber os presentes na agência, enquanto observava a pilha de papeis quase sumindo e o número de entregas crescendo, a servidora Divane Tomasi não escondia o tom de satisfação. “É tão bom ver a comunidade envolvida. Quando participamos com amor, as crianças sentem. Faz a alegria delas, é a realização de um sonho. E, às vezes, é a única oportunidade que elas têm de ganhar um presente de Natal”, comenta.

 

Gostou? Compartilhe