Coronavírus: Passo Fundo já realizou mais de 16 mil testes

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Prefeitura de Passo Fundo segue investindo na testagem no município, a fim de ampliar o mapeamento da covid-19. Até o momento, já foram feitos 16.152 testes, incluindo públicos e particulares. Do total, 23% foram casos confirmados para a doença. Todo o trabalho realizado na rede pública de saúde e nos hospitais é agregado com a testagem, que segue critérios da Secretaria Estadual de Saúde e do Ministério da Saúde.

“Há o momento certo para a testagem, se o teste for realizado dentro do período errado, é inútil. Por isso, é importante que as pessoas respeitem as orientações dos profissionais de saúde”, destacou a secretária de Saúde, Carla Crivellaro Gonçalves.

Segundo a Anvisa, há duas formas para diagnosticar o vírus: material genético (RNA) ou “partes” (antígenos) do vírus (RT-PCR); ou anticorpos, ou seja, uma resposta do organismo quando este teve contato com o vírus, recentemente (IgM) ou previamente (IgG). Os testes usam sangue, soro ou plasma, além de amostras de secreções coletadas das vias respiratórias, como nasofaringe (nariz) e orofaringe (garganta).

Quando devo fazer o teste?

Teste de biologia molecular (RT-PCR)

O RT-PCR ou swab é considerado o teste “padrão ouro” ou “padrão de referência”. As amostras são coletadas através de swabs (cotonetes) de nasofaringe (nariz) e orofaringe (garganta). É realizado, especialmente, na primeira semana, quando a carga viral é alta.

Sorológicos

São os exames de laboratório ou testes rápidos de farmácia. Os testes sorológicos são feitos a partir da segunda semana da doença, após 14 dias de sintomas ou contato com alguém que teve sintomas, quando a quantidade de vírus diminui progressivamente e o indivíduo produz anticorpos contra o vírus, principalmente das classes IgG e IgM. 

A eficácia dos testes de laboratório é maior do que a do teste rápido.

Gostou? Compartilhe