A busca por qualificação no campo

Evolução agrícola é o principal fator que atrai jovens na busca pelo conhecimento técnico

Por
· 2 min de leitura
(Foto: Forrest Cavale/Unsplash)(Foto: Forrest Cavale/Unsplash)
(Foto: Forrest Cavale/Unsplash)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O jovem paraguaio, Samuel Berestovoy Telöken, nem tinha atingido a maioridade quando decidiu que era hora de deixar a propriedade rural onde morava com a família em Colonia Capitán Miranda, próximo à tríplice fronteira do país cortada pelas delimitações dos territórios brasileiro e argentino, para partir em busca de qualificação e independência.

Samuel Berestovoy Telöken é paraguaio e veio para Passo Fundo aprimorar os conhecimentos técnicos que levará para a propriedade da família (Foto: Arquivo Pessoal)

Há dois anos, ele fez as malas e com quase 500km de estrada deixados para trás, e percorridos em pouco mais de 4 horas, desembarcou em Passo Fundo para assinar a matrícula no curso de Agronomia da Universidade de Passo Fundo (UPF). “Desde pequeno fui apaixonado por tudo que envolve o agro. Meu pai sempre me levava com ele desde o início do plantio até a época da colheita”, relembrou à reportagem do jornal O Nacional. 

Com essas memórias afetivas, e um gosto particular por pilotar a colheitadeira nas terras agricultáveis junto ao irmão, que também sustentam o crescimento de gado, o estudante de 19 anos conta que a estrutura de ensino ofertada na cidade pesou na hora da escolha em se mudar para o país e encarar a burocracia. “Não encontrei, no Paraguai, nenhum curso que me satisfazia. Encontrei, aqui [referindo-se a Passo Fundo], uma excelente oportunidade”, avaliou.

O caminho percorrido por Samuel foi o mesmo escolhido por outro jovem acadêmico vindo, porém, de mais perto. De Não-Me-Toque, cidade que abriga anualmente uma das maiores feiras do agronegócio nacional, o igualmente filho de agricultores, Ígor Heller, já fala com uma maturidade de alguém prestes a ser diplomado na área. Com oito semestres cumpridos, dos 10 exigidos pelo curso de ensino superior, a necessidade de aprendizado técnico na área impulsionou a vinda para o município onde compartilha, com o paraguaio Samuel e os demais colegas, não apenas os coturnos pesados e jaquetas pretas características da carreira, como também o amor pelos cultivos de solo. “A gente enxerga que o agro move Passo Fundo. Todas as empresas que são referência no agro estão aqui ou nos arredores", ponderou Heller. “Depois que tu entras na Agronomia, o entendimento se torna muito mais evidente para saber o que é o melhor a ser aplicado. É claro, conhecendo de uma forma mais aprofundada e transmitindo esses ensinamentos para os meus pais também”, ressaltou. 

Ígor Heller é estudante dos anos finais do curso e reafirma o destaque de Passo Fundo no cenário do agronegócio (Foto: Arquivo Pessoal)

Êxodo intelectual

A saída destes jovens estudantes da casa dos pais, para o coordenador do curso de Agronomia da UPF, Vilson Klein, pode ser justificada pela evolução nos processos do campo e a introdução de tecnologias avançadas para o manejo de cultivos. “Essa transformação foi da água para o vinho. O que eu ensinava há 30 anos, agora não faz mais sentido. Não se falava de plantio direto, transgenia, proteção de planta. É de uma evolução impressionante”, afirmou. 

“O que eu ensinava há 30 anos, agora não faz mais sentido. É uma evolução impressionante”


Essa aceleração do campo, mencionada por Klein, tem reflexo direto no próprio currículo do curso, reconhecido nos dois últimos anos como o melhor no ensino de Agronomia entre as universidades privadas gaúchas pelo Ranking Universitário da Folha, que deve ser reformulado para estar em vigor em março de 2020, quando o curso completa 60 anos. “Não podemos entrar em modismos. A abundância de informação que existe me preocupa muito porque, teoricamente, não é necessário fazer Agronomia porque tem tudo na internet. Mas, não é bem assim. Trabalhamos muito a parte crítica deles”, advertiu o coordenador. “Não ter capacidade crítica pode causar consequências. É preciso saber filtrar o que é eficaz ou não. O curso é reconhecido na área de pesquisa em grãos, que é o que move este país”, ressaltou Klein. “Também há a difusão do que é gerado. Esse suporte para toda a comunidade local é fundamental para o desenvolvimento do agro”, frisou. 

Gostou? Compartilhe