"Setor de agronegócios configura como relevante fonte de geração de empregos e renda do município", avalia economista

Posição estratégica para escoamento de produção e multinacionais do ramo presentes na cidade impulsionam desenvolvimento do agro

Por
· 2 min de leitura
Foto: Arquivo/Agência BrasilFoto: Arquivo/Agência Brasil
Foto: Arquivo/Agência Brasil

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Mesmo com a perda de duas posições no ranking, elaborado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que avalia a participação dos Municípios no Produto Interno Bruto (PIB) gaúcho, caindo do 6° para o 8° lugar entre os anos 2017 e 2018, Passo Fundo ainda se mantém como uma das principais economias do Rio Grande do Sul.

Durante a pademia provocada pelo coronavírus, o agronegócio local, fortemente influenciado pela produção de soja, experimenta agora um movimento de alta puxada pelo setor neste período de suspensão de outras atividades econômicas, como o comércio e serviços, destacando o Município no cenário de exportação, sobretudo, de processamento de carne animal ao ceder terreno para a instalação de gigantes do setor alimentíco, como a JBS.

Em uma conversa com o jornal O Nacional, a economista e professora do Mestrado em Administração da IMED e doutora em Agronegócios, Giana de Vargas Mores, avalia o comportamento do setor agrícola para o desenvolvimento da economia local.

Foto: Divulgação/IMED


JORNAL O NACIONAL: Mesmo o agronegócio não sendo a principal fonte de emprego e renda da população de Passo Fundo, como ele se relaciona com a economia local?

Giana: A população mundial chegará a mais de nove bilhões em 2050, o que elevará o consumo de alimentos. Estimativas indicam que o Brasil se tornará um dos maiores produtores de alimentos do mundo nas próximas décadas. E é, nesse cenário, que o olhar pode se voltar para o estado do Rio Grande do Sul, por se destacar na produção e na exportação de produtos de origem vegetal e animal. Passo Fundo posiciona-se como uma das maiores economias do estado, e o setor de agronegócios configura-se como relevante fonte de geração de empregos e renda do município, destacando sua importância socioeconômica.

ON: E como o setor se comporta neste período de pandemia?

Giana: Segundo dados do Cepea/USP, o PIB do agronegócio brasileiro vem apresentando aumento nos últimos meses. A exemplo do mês de abril de 2020, em que se somou um crescimento de 0,36%, especialmente movimentado pela pecuária. Ainda de acordo com esses dados, o setor primário foi menos impactado que a agroindústria, devido aos reflexos da pandemia. Por exemplo, parte da produção de carnes é absorvida pelo mercado nacional, mas devemos destacar a importância para as exportações, principalmente para a China. Um dos principais parceiros comerciais do agronegócio brasileiro, a exemplo da produção vegetal, animal, bioenergia, entre outros. Com base no dados do Ministério da Agricultura, há um superávit na balança comercial do agronegócio brasileiro para o período recente de 2020, ou seja, as exportações superam as importações.

ON: O que podemos esperar para o agro no pós-pandemia?

Giana: Ao se considerar o Brasil como um dos maiores produtores e exportadores de alimentos do mundo, espera-se um maior nível de inovação para que o agronegócio permaneça competitivo. Essa inovação deve basear-se na sustentabilidade ambiental de forma a contribuir com os desafios da segurança alimentar e das mudanças climáticas.


Gostou? Compartilhe