Secretaria inicia cadastramento de instituições culturais para receber recursos da Lei Aldir Blanc

A previsão é de que Passo Fundo receba R$ 1,3 milhão para ser aplicado em subsídios

Por
· 6 min de leitura
Foto: Arquivo/Agência BrasilFoto: Arquivo/Agência Brasil
Foto: Arquivo/Agência Brasil

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Secretaria Estadual da Cultura iniciou, na quarta-feira (12), pela plataforma eletrônica Cadastro de Espaços Artísticos e Culturais, o cadastramento de instituições de Passo Fundo que estão previstas no inciso II do artigo 2º da lei federal nº 14.017, de 29 de junho de 2020, a Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc. 

Todos os municípios, capitais e estados devem receber até o final do mês aproximadamente 3 bilhões de reais para atender trabalhadores da cultura e espaços culturais paralisados e fragilizados pela pandemia do coronavírus. A previsão é de que Passo Fundo receba R$ 1,3 milhão para ser aplicado em subsídios para espaços e organizações culturais e, ainda, em editais de fomento. Mesmo que o município já tenha iniciado o mapeamento, é fundamental que esses espaços culturais realizem o cadastro nesta plataforma, o que vai unificar os dados em todo o Rio Grande do Sul.   

Depois de intensa negociação, o governo federal e os estados optaram pela divisão de competências para a operacionalização da lei. Os estados ficaram com a responsabilidade do pagamento da renda emergencial aos trabalhadores da cultura no valor de R$ 600,00, em igual número de parcelas do auxílio emergencial em processo de execução através da Caixa Econômica Federal, além de oferecer editais de fomento à cultura. Aos municípios, o compromisso de mobilizar o setor, repassar subsídios para a manutenção de espaços culturais e também organizar editais que contemplem projetos nas mais diversas linguagens artísticas. O cadastro para que trabalhadores da cultura de todos os municípios do RS recebam a renda emergencial, cuja organização e pagamento é do governo estadual, ainda não foi aberto.

A Lei Federal Aldir Blanc prevê o repasse de subsídio para manutenção de espaços artísticos e culturais, microempresas e pequenas empresas culturais, cooperativas, instituições e organizações culturais comunitárias que tiveram as suas atividades interrompidas por força das medidas de isolamento social. O subsídio previsto terá valor mínimo de R$ 3 mil e máximo de R$ 10 mil, de acordo com critérios que estão sendo debatidos entre a Secretaria de Cultura e o Conselho Municipal de Políticas Culturais de Passo Fundo. Mas, esses espaços só serão identificados e habilitados a receber recursos a partir do preenchimento do cadastro no link: https://cultura.rs.gov.br/cadastro-espacos-culturais.  

A Lei Aldir Blanc ainda depende de regulamentação federal para que estados e municípios possam receber os recursos e dar a destinação previsto, o que deve acontecer até o final do mês de agosto. A partir deste recebimento, os municípios tem até 60 dias para que as verbas cheguem aos espaços culturais e aos demais projetos selecionados através de editais de fomento em elaboração.

A destinação dos recursos e o debate da lei, tendo como cenário o setor cultural em Passo Fundo, envolve a Secretaria de Cultura e o Conselho Municipal de Políticas Culturais. “Já fizemos um Fórum Cultural com a participação do setor cultural e várias reuniões com o Conselho, que vai nos acompanhar passo a passo em todo o processo de repasse dos subsídios a organizações culturais e as especificidades dos editais que vão contemplar mais de 100 projetos culturais. Esta participação é fundamental para que a operacionalização da lei em Passo Fundo seja a mais transparente possível”, defendeu o secretário de Cultura, Henrique Fonseca . 

Embora o cadastro esteja sendo operado por uma plataforma estadual, a Secretaria de Cultura e o Conselho terão acesso a esses dados para a comprovação e validação das informações, se trabalhadores e os espaços se enquadram na legislação. Todos os beneficiários da lei precisam prestar contas até o final do ano.

O que prevê a Lei Aldir Blanc

Renda Emergencial (responsabilidade dos estados):

A renda emergencial mensal aos trabalhadores da cultura terá o valor de R$ 600,00 e deverá ser paga mensalmente desde a data de publicação desta lei três parcelas sucessivas. O benefício também será concedido, retroativamente, desde 1º de junho de 2020 e será prorrogado no mesmo prazo em que for prorrogado o benefício previsto no art. 2º da lei nº 13.982, de 2 de abril de 2020.

Farão jus à renda emergencial os trabalhadores e trabalhadoras da cultura com atividades interrompidas e que comprovem : 

- Terem atuado social ou profissionalmente nas áreas artística e cultural nos 24 meses imediatamente anteriores à data de publicação desta lei, comprovada a atuação de forma documental ou autodeclaratória; 

- Não terem emprego formal ativo; 

- Não serem titulares de benefício previdenciário ou assistencial ou beneficiários do seguro desemprego ou de programa de transferência de renda federal, ressalvado o Programa Bolsa Família; 

- Terem renda familiar mensal per capita de até meio salário-mínimo ou renda familiar mensal total de até três salários-mínimos, o que for maior; 

- O recebimento da renda emergencial está limitado a dois membros da mesma unidade familiar. A mulher provedora de família monoparental receberá duas cotas da renda emergencial. 

- Não terem recebido, no ano de 2018, rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70; 

- Estarem inscritos, com a respectiva homologação da inscrição em, pelo menos, um cadastro; 

- Não serem beneficiários do auxílio emergencial previsto na lei nº 13.982, de 2 de abril de 2020.

Espaços Culturais (responsabilidade dos municípios) 

O subsídio mensal previsto terá valor mínimo de R$ 3 mil e máximo de R$ 10 mil, de acordo com critérios estabelecidos pelo gestor local. Farão jus ao benefício os espaços culturais e artísticos, microempresas e pequenas empresas culturais, organizações culturais comunitárias, cooperativas e instituições culturais com atividades interrompidas por força das medidas de isolamento social, que devem comprovar sua inscrição e a respectiva homologação em pelo menos um cadastro .

Compreendem-se como espaços culturais todos aqueles organizados e mantidos por pessoas, organizações da sociedade civil, empresas culturais, organizações culturais comunitárias, cooperativas com finalidade cultural e instituições culturais, com ou sem fins lucrativos, que sejam dedicados a realizar atividades artísticas e culturais.

Pontos e pontões de cultura; teatros independentes; escolas de música, de capoeira e de artes e estúdios; companhias e escolas de dança; circos; cineclubes; centros culturais, casas de cultura e centros de tradição regionais; museus comunitários, centros de memória e patrimônio; bibliotecas comunitárias; espaços culturais em comunidades indígenas; centros artísticos e culturais afrodescendentes; comunidades quilombolas; espaços de povos e comunidades tradicionais; festas populares, inclusive o carnaval e São João, e outras de caráter regional; teatro de rua e demais expressões artísticas e culturais realizadas em espaços públicos; livrarias, editoras e sebos; empresas de diversões e produção de espetáculos; estúdios de fotografia, produtoras de cinema e audiovisual; ateliês de pintura, moda, design e artesanato; galerias de arte e de fotografias; feiras de arte e de artesanato; espaços de apresentação musical, de literatura, poesia e literatura de cordel; espaços e centros de cultura, alimentar de base comunitária, agroecológica e de culturas originárias, tradicionais e populares; outros espaços e atividades artísticos têm direito ao benefício.

Fica vedada a concessão do benefício a espaços culturais criados pela administração pública de qualquer esfera ou vinculados a ela, bem como a espaços culturais vinculados com fundações, institutos ou instituições criados ou mantidos por grupos de empresas, teatros e casas de espetáculos de diversões com financiamento exclusivo de grupos empresariais, e espaços geridos pelos serviços sociais do Sistema S.

Fomento à Cultura (responsabilidades dos estados e municípios)

Editais, chamadas públicas, prêmios, aquisição de bens e serviços vinculados ao setor cultural e outros instrumentos destinados à manutenção de agentes, de espaços, de iniciativas, de cursos, de produções, de desenvolvimento de atividades de economia criativa e de economia solidária, de produções audiovisuais, de manifestações culturais, bem como para a realização de atividades artísticas e culturais que possam ser transmitidas pela internet ou disponibilizadas por meio de redes sociais e outras plataformas digitais. Do valor previsto a ser recebido pelo município, pelo menos 20% serão destinados às ações emergenciais previstas. 



Gostou? Compartilhe