Em Passo Fundo: Governador destaca o que o RS perde sem a Reforma Tributária

Reunião com prefeitos, deputados, líderes e entidades da região Norte faz parte da série Diálogo RS: Reforma Tributária

Por
· 2 min de leitura
Sem a reforma, nos 14 municípios mais importantes do Norte, serão R$ 60,9 milhões a menos a partir de 2021, disse Leite Sem a reforma, nos 14 municípios mais importantes do Norte, serão R$ 60,9 milhões a menos a partir de 2021, disse Leite
Sem a reforma, nos 14 municípios mais importantes do Norte, serão R$ 60,9 milhões a menos a partir de 2021, disse Leite

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

No quinto encontro regional do Diálogo RS: Reforma Tributária, o governador Eduardo Leite esteve nesta sexta-feira (4/9) em Passo Fundo reunindo prefeitos, deputados estaduais, líderes e entidades do norte do Estado. Nas próximas duas semanas, estão previstas agendas em Santa Cruz do Sul, Uruguaiana, Santa Maria, Pelotas, Bagé, Santa Rosa e Erechim.

Ao lado do vice-governador Ranolfo Vieira Júnior, no auditório do Centro de Eventos da Universidade de Passo Fundo (UPF), Leite esclareceu pontos importantes dos três projetos de lei que formam a Reforma Tributária RS. Também estiveram presentes os secretários da Fazenda, Marco Aurelio Cardoso, e de Articulação e Apoio aos Municípios, Agostinho Meirelles, e o procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa.

“Para falar da importância da reforma, precisamos ver o que o Estado perde caso ela não seja feita. E o RS perde R$ 2,85 bilhões em arrecadação de ICMS, dos quais 30% são das prefeituras. São R$ 850 milhões que deixam de ir para os municípios. Somente em 14 dos municípios mais importantes da região Norte, são R$ 60,9 milhões a menos a partir do ano que vem. Este não é um recurso dos prefeitos nem do governador. O dinheiro é da saúde, da segurança, da educação, da infraestrutura, dinheiro que não vai existir. Quem paga o preço é sempre a sociedade. Ou na forma de imposto bem distribuído e mais justo como propõe a Reforma ou na precarização dos serviços públicos”, destacou o governador.

Em 2015, por iniciativa do governo anterior, a Assembleia aprovou o aumento da alíquota básica de 17% para 18% e da alíquota sobre produtos e serviços seletivos (como gasolina, álcool e telecomunicações) de 25% para 30%. Em dezembro de 2018, a pedido de Leite para que houvesse tempo de elaborar uma reforma no sistema tributário, a ampliação foi prorrogada até o fim de 2020.

Com isso, segundo Leite, a não aprovação da Reforma Tributária RS obrigará o governo a pedir novamente à Assembleia a prorrogação das atuais alíquotas de ICMS. Como não há o prazo de noventena, por tratar-se de uma extensão da medida, a renovação pode ser aprovada em dezembro.

“O Estado não tem condições de abrir mão de R$ 2 bilhões de arrecadação. Além disso, uma eventual rejeição à reforma vai representar sérias dificuldades de caixa para os futuros prefeitos, que serão eleitos em novembro”, afirmou o governador na reunião regional.

As medidas propostas pelo governo na Reforma Tributária RS buscam compensar a queda na arrecadação reduzindo a tributação sobre o consumo (ICMS) e aumentando sobre o patrimônio (IPVA e ITCD). Além disso, simplificam a relação dos cidadãos e das empresas com os tributos, devolvem imposto para famílias de baixa renda e aumentam a competitividade do setor privado, com uma distribuição mais racional do peso dos impostos.

Caso as propostas não sejam aprovadas, além da precarização dos serviços, o RS corre risco de não aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF), de ter de rever compromissos assumidos, como o cronograma de nomeação de servidores para todas as áreas e investimentos em infraestrutura, entre outros efeitos. Veja a seguir o detalhamento feito pelo governo na reunião em Passo Fundo.

Gostou? Compartilhe