OPINIÃO

A Casa de Dentro e Outras Loucuras

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Todo (bom) escritor, que busca o aperfeiçoamento e a criação de um estilo próprio para a sua produção literária, tende ao despojamento textual. Os excessos e os barroquismos, tão característicos dos primeiros escritos de qualquer autor, são deixados de lado até que, por mais incrível que isso possa parecer, páginas praticamente em branco são suficientes para dizer tudo e mais um pouco. Luciana Lhullier, que, em 2015, havia nos brindado com o excelente “No Coração da Floresta”, atingiu esse status com “A Casa de Dentro e Outras Loucuras”, livro recém-lançado, que marca o seu retorno à cena literária local.

 

Se, no livro anterior, a escritora de textos refinados, ao iluminar o que os contos de fada têm a dizer sobre a vida real, nos levou para um passeio pelo bosque das emoções; nesse último, ela nos guia pelo caminho de volta para casa, quer sejamos crianças ou meras crianças grandes ou, ainda, que essa casa, figurativamente, esteja localizada dentro de nós mesmos.

 

“A Casa de Dentro e Outras Loucuras” é uma obra que foi produzida com esmero de ourives. Ao texto primoroso da Luciana, juntaram-se uma equipe talentosa de ilustradores ̶ Vagner de Freitas Pires (Fill Chapelleta), Giulia Cittolin, Guilherme Silveira e Daniele Stuani ̶ e a assessoria de uma publicitaria de escol, Débora Finger da Agência La Ideia, e o resultado, que não poderia ser diferente, foi um livro singular, digno, de plano, de figurar entre as melhores produções nacionais de 2017. São livros como esse, localmente escritos e produzidos, que também justificam o título de Passo Fundo como Capital Nacional da Literatura.

 

Se, outrora, ganhamos esse titulo trazendo escritores de outras plagas, embora essa troca de experiências seja sempre necessária e louvável, frise-se, também precisamos ter escritores locais que, pela qualidade dos textos escritos e da estética das obras aqui produzidas, sejam reconhecidos além dos círculos familiares e de amizade. Luciana Lhullier, a par do prestígio que goza como professora de língua inglesa, tradutora e interprete e mediadora cultural, firma-se, cada vez, como uma escritora do grupo de elite da literatura brasileira contemporânea. Nós da Academia Passo-Fundense de Letras rendemos nossos respeitos a Luciana Lhullier, à Equipe de Ilustradores e a Débora Finger pelo legado deixado à literatura local.

 

Os ensaios deste novo livro de Luciana Lhullier são do tipo minimalista, e, talvez, por isso mesmo, é que, quando somados texto e ilustração, produzam reflexões literárias inesperadas nos leitores. Os cinco ensaios que formam o livro ̶ A Casa de Dentro, Asas, Logo Atrás de Você, A Vida Secreta das Árvores e A Terra dos Sentimentos ̶ , ao suscitarem emoções das mais variadas matizes nos leitores, é que justificam o livro em questão como uma autêntica obra literária. Um texto que não desperte a emotividade do leitor, seja ela qual for, não merece o epiteto de literário. Talvez, nesse caso, não passe de um mero conjunto de palavras, por mais bem colocadas que elas aparentem estar.

 

Não quero tirar o prazer da descoberta do leitor, até porque a emotividade de cada indivíduo, diante desses ensaios, necessariamente, vai ser tocada de maneira diferente. Em rápidas pinceladas, prepare-se para se defrontar com um coquetel e emoções, que vão, desde como saber lidar, na posição de filhos, com o conflito entre o pragmatismo das mães e os sonhos visionários dos pais, até conseguir chegar, sem mapa e nem GPS, no lugar certo na terra dos sentimentos.

 

O meu preferido (leia o livro e escolha o seu), sem qualquer atrelamento às ciências agrárias, é A Vida Secreta das Árvores. Ainda que a autora não tenha explicitado (por, possivelmente, não ter sido essa a sua intenção), eu encontrei uma forte identificação desse ensaio com os textos publicados nas colunas do Dr. Jorge Anunciação, nas edições de sábados de O NACIONAl, particularmente naquelas que ele faz rememorações, de cenas vividas e de pessoas que não estão mais por aqui, sob o plátanos da Praça Tamandaré.

 

Gostou? Compartilhe