OPINIÃO

A destinação universal dos bens

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A 40ª Romaria da Terra está se aproximando e este texto quer fornecer alguns elementos de reflexão sobre a destinação universal dos bens, a partir da doutrina social da Igreja. Os bens da sociedade não se restringem aos recursos naturais, como a terra, mas incluem aqueles que são frutos do conhecimento, da técnica e do saber.
Para a realização do bem comum, o princípio da destinação universal dos bens, assume uma importância central. Afirma a constituição conciliar Gaudium et Spes, no número 69: “Deus destinou a terra, com tudo que ela contém, para o uso de todos os homens e de todos os povos, de tal modo que os bens criados devem bastar a todos, com equidade, segundo a regra da justiça, inseparável da caridade”. Este princípio de baseia na convicção de que a origem de tudo, também do homem, está em Deus.
O princípio da destinação universal dos bens da terra está na base do direito universal ao uso dos bens. As criaturas necessitam de bens materiais para a satisfação das necessidades primárias e para o seu pleno desenvolvimento. O princípio do uso comum dos bens é o “primeiro princípio de toda a ordem ético-social” e “princípio típico da doutrina social cristã” (João Paulo II, Laborem Exercens, 19; Sollicitudo rei socialis, 42). Trata-se de um direito natural, inscrito na natureza do homem, um direito original. Não é fruto do direito positivo adquirido em um momento histórico, portanto contingente.
A concretização do princípio da destinação universal dos bens e o direito universal ao uso dos bens necessita ser regulamentado e ordenado pelas instâncias competentes. “Destinação universal e uso universal não significam que tudo esteja à disposição de cada um ou de todos, e nem mesmo que a mesma coisa sirva ou pertença a cada um ou a todos” (Compêndio da Doutrina Social da Igreja, nº 173).
A propriedade privada constitui-se um direito fundamental para a realização da ordem social justa. “A propriedade privada e as outras formas de domínio privado dos bens conferem a cada um a extensão absolutamente necessária à autonomia pessoal e familiar e devem ser consideradas como um prolongamento da liberdade humana... Enfim, porque aumentam o estímulo no desempenho do trabalho e das responsabilidades, constituem uma das condições das liberdades civis’. A propriedade privada é elemento essencial de uma política econômica autenticamente social e democrática e é garantia de uma reta ordem social. A doutrina social requer que a propriedade de bens seja equitativamente acessível a todos”. (Compêndio da Doutrina Social da Igreja, nº 176).
Como harmonizar o direito à propriedade privada e a destinação universal dos bens? A tradição cristã e a Constituição brasileira não reconhecem o direito à propriedade como algo absoluto e intocável. “Pelo contrário, sempre o entendeu no contexto mais vasto do direto comum de todos a utilizarem os bens da criação inteira: o direto à propriedade privada está subordinado ao direito do uso comum, subordinado à destinação universal dos bens” (João Paulo II, Laborem Exercens, 14). A propriedade privada se torna um meio que regulamenta o uso e o acesso aos bens.
Ao mesmo tempo que, o ensinamento social da Igreja e a Constituição brasileira reconhecem o direito à propriedade privada, também exortam a reconhecer a função social de qualquer forma de posse privada. Diz o artigo 5º, incisos XXII – “é garantido o direito de propriedade; XXIII – a propriedade atenderá a sua função social”.
 
Dom Rodolfo Luís Weber
Arcebispo de Passo Fundo
17 de fevereiro de 2017

Gostou? Compartilhe