Aids: município sai do ranking das 100 cidades

Só nos últimos quatro anos houve uma queda de 16% dos casos e da mortalidade no município

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O dia 1º de dezembro marca o Dia Mundial de Luta Contra a Aids. Embora a taxa de detecção de Aids no Rio Grande do Sul apresentou redução progressiva nos últimos dez anos, o Estado ainda ocupa a terceira posição no ranking dos estados brasileiros com maior incidência. Em Passo Fundo a situação também é alarmante. O município também registrou uma queda, e já não está entre as 100 cidades brasileiras com maior número de indivíduos portadores de HIV. A informação faz parte do novo boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde esta semana.


Conforme dados da Secretaria de Saúde de Passo Fundo, a diminuição se deve às ações de prevenção. Só nos últimos quatro anos houve uma queda de 16% dos casos e da mortalidade. Porém, percebe-se que a população mais jovem não está preocupada em se prevenir. Há uma banalização a respeito da AIDS. Um dos motivos é o tratamento que trouxe grande avanço na qualidade de vida dos portadores do vírus. No boletim epidemiológico de 2016, Passo Fundo ocupava o 34º lugar dos municípios do Brasil com maior número de casos de AIDS, já no boletim de 2017 ocupou o 59º lugar e em 2018 não aparece mais entre os 100 municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes com maior número de casos.


No Estado
O Rio Grande do Sul passou de 46,1 novos casos por 100 mil habitantes em 2007 para 29,4 em 2017, o que representa queda de 36,2%. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde (MS) nesta semana, em alusão ao Dia Mundial de Luta contra a Aids. Conforme a Secretaria da Saúde (SES), o RS apresenta uma taxa superior à do Brasil (18,3 casos/100 mil habitantes), sendo a terceira mais elevada do país, atrás apenas de Roraima com 36,8, e do Amapá com 29,8 casos/100 mil habitantes.

 

Gestantes
A taxa de detecção de gestantes com HIV no Brasil apresentou tendência de aumento, sendo de 2,8 casos para cada mil nascidos vivos em 2017. O RS ocupa o 1º lugar no ranking dos estados com a maior taxa de detecção, com 9,5 casos para cada mil nascidos vivos.


No Brasil, no período de 2007 a 2017, foi possível observar uma redução na taxa em crianças menores de cinco anos, chegando a 2,0/100.000 habitantes em 2017. No RS, essas taxas vêm oscilando ano a ano, porém com tendência de declínio, passando de 13,1 casos por 100 mil habitantes em 2007 para 6,0/100 mil habitantes em 2017, o que corresponde a uma queda de 54,2%. Porto Alegre, apesar da tendência de declínio, segue sendo a capital com a maior taxa no país (12,9/100 mil habitantes em 2017).


O tratamento oportuno e adequado das gestantes infectadas pelo HIV evita a transmissão vertical e consequentemente diminui o número em crianças. A adoção de todas as medidas de profilaxia, desde o pré-natal até o parto e nascimento, pode reduzir as chances de transmissão vertical para menos de 1%. A iniciativa estadual de adotar em caráter obrigatório a testagem do HIV em todas as gestantes e parturientes, independentemente do número de testagens anteriores, resultou no aumento expressivo da cobertura, principalmente em instituições privadas e conveniadas, passando de 83% em 2013 para 97,2% em 2017. Essas ações contribuíram para o aumento do número de gestantes com diagnóstico conhecido.

 

Mortalidade
No Brasil, o coeficiente de mortalidade padronizado por Aids no período de 2007 a 2017 apresentou uma queda, passando de 5,6 para 4,8 óbitos/100 mil habitantes. Na Região Sul, o mesmo fato se repete, tendo o coeficiente passado de 8,0 para 6,4 óbitos/100 mil habitantes. No RS, a mortalidade por Aids tem sido quase o dobro da mortalidade no Brasil nos últimos anos. Porém, é possível observar um declínio de 21,7% na mortalidade no estado, passando de 11,5 em 2007 para 9,0 óbitos/100 mil habitantes em 2017. Na capital, apesar da redução da mortalidade nos últimos anos, é possível verificar que Porto Alegre apresenta o maior coeficiente entre as capitais brasileiras em 2017, sendo de 24,2 óbitos/100 mil habitantes.


Os dados do boletim epidemiológico apontam redução da taxa de detecção na população em geral e em menores de cinco anos e queda na mortalidade ao longo dos últimos anos. Apesar dos avanços, o RS ainda apresenta a terceira taxa de detecção mais elevada entre os estados brasileiros. Atualmente, aproximadamente 59.600 pessoas fazem uso de terapia antirretroviral no estado.

 

Prevenção e diagnóstico
Para fazer frente a este desafio, o Rio Grande do Sul vem investindo em ações de prevenção combinada, enquanto estratégia de combate e controle da epidemia. Entre as diferentes tecnologias de prevenção, destaca-se a PEP (Profilaxia Pós-Exposição ao HIV), que consiste no uso de antirretrovirais em até 72h após uma possível exposição ao vírus, com objetivo de evitar a infecção. Outra opção de prevenção, destinada a subgrupos populacionais específicos, é a PREP (Profilaxia Pré-Exposição), que consiste no uso continuado de antirretrovirais por pessoas soronegativas.


A Atenção Básica tem sido o espaço prioritário de oferta de testagem para HIV, Sífilis e Hepatites Virais, considerando o papel fundamental das unidades de saúde nas comunidades. Atualmente, 391 (98%) dos municípios gaúchos oferecem testagem para essas infecções na Atenção Básica.

Gostou? Compartilhe