OPINIÃO

As origens da pós-graduação stricto sensu em Passo Fundo

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Quem, hoje, buscar um curso de pós-graduação stricto sensu em Passo Fundo, vai se deparar com oferta de mestrados e doutorados (16 mestrados e 7 doutorados, na UPF; e 2 mestrados na IMED, por exemplo), que outrora era inimaginável. Talvez, em função disso, sequer reflita como foi que começou a pós-graduação, stricto sensu, em Passo Fundo? Desde quando temos programas de pós-graduação stricto sensu? Qual foi o nosso primeiro curso?
Apesar das menções bem intencionadas dos anos 1930, inspiradas no modelo europeu das cátedras, envolvendo experiências na USP, a pós-graduação no Brasil, sensu stricto, efetivamente se consolidou a partir do Parecer nº 977/65, do Conselho Federal de Educação (de 03/12/1965), o famoso Parecer Sucupira (em alusão ao conselheiro relator, Newton Sucupira), e com a reforma do ensino de 1968, que substituiu as cátedras pelos departamentos nas universidades brasileiras. Neste rastro, chegamos a Passo Fundo, nos anos 1990, quando efetivamente, foi formalizado um contrato de cooperação técnica entre a Fundação Universidade de Passo Fundo (FUPF) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, por intermédio do Centro Nacional de Pesquisa de Trigo (CNPT), para a implementação de um curso de pós-graduação, ao nível de mestrado, área de concentração em manejo de doenças de plantas. Assinaram esse contrato, em 11 de outubro de 1995, Lorivan Fisch Figueiredo, presidente da FUPF, e Augusto Carlos Baier, como Chefe do CNPT. O contrato previa vigência de quatro anos, com possibilidade prorrogação ou alteração, mediante a celebração de termos aditivos. Esse contrato, que teria sido aditado em 01/07/1996, foi rescindido em 20 de novembro de 1996, sendo substituído, nessa mesma ocasião, por um novo documento, também com vigência por quatro anos, com o mesmo objetivo, celebrado pelas mesmas partes, porem, assinando pela Embrapa, Benami Bacaltchuk, como Chefe-Geral do CNPT.
Esse novo contrato, firmado entre a FUPF e a Embrapa, continha especificações mais bem detalhadas que o anterior. Inclusive definia além do corpo docente (Amarilis Labes Barcellos/Embrapa, Ariano Moraes Prestes/Embrapa, Antonio Bergamin Filho/ESALQ, Elmar Luiz Floss/UPF, Emídio Rizzo Bonato/Embrapa, Florindo Castoldi/UPF, João Riboldi/UFRGS, José Antonio Martinelli/UFRGS, José Maurício Cunha Fernandes/Embrapa, Jurema Shons/UPF, Maria Irene Baggio de Moraes Fernandes/Embrapa, Norimar D´Àvila Denardin/UPF, Valmir Duarte/UFRGS e Walter Boller/UPF), que o Curso de Mestrado em Agronomia - Área de Concentração em Manejo de Doenças de Plantas, começaria com 10 alunos, orientados pelos professores Amarilis Labes Barcellos (Sandra Maria Zoldan), Ariano Moraes Prestes (Beatriz Donida, Lauro Luiz Somavilla e João Américo Wordell Filho), Erlei Melo Reis (Antonio Mauro Rodrigues Cadorin, Carlos Eduardo Lopes da Silva, Maria Alice Verner Miglioranza e Nádia Canali Lângaro) e José Maurício Cunha Fernandes (Justino Luiz Mário e Paulo Roberto Vargas).
E assim aconteceu. O Programa de Pós-Graduação em Agronomia – Área de Concentração em Fitopatologia foi efetivamente iniciado em 4 de março de 1996, sob coordenação do Prof. Dr. Erlei Melo Reis. A primeira dissertação de mestrado, com titulação concedida pelo convênio que criou o curso, formalmente pela Universidade de Passo Fundo e pelo Centro Nacional de Pesquisa de Trigo – Embrapa, foi defendida por João Américo Wordell Filho, em 27 de fevereiro de 1998. O trabalho, intitulado “Variabilidade cultural e patogênica de Drechslera teres e resistência de genótipos a mancha-em-rede da cevada”, foi realizado nas dependências da Embrapa Trigo e contou com a orientação do pesquisador Ariano Moraes Prestes.
Foi o coroamento de tratativas entre UPF e Embrapa Trigo, iniciadas em 1988, que seguiriam com a comissão pró-mestrado, criada em 1993, com três professores da UPF e três pesquisadores da Embrapa.

Gostou? Compartilhe