CPI ouve advogado responsável pelo edital

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Comissão Parlamentar de Inquérito, instalada na Câmara Municipal para apurar circunstâncias da contratação de equipamentos de fiscalização eletrônica de trânsito para Passo Fundo, ouviu ontem o advogado Rogério Sikora, que assumiu a responsabilidade pela elaboração do edital que determinou a contratação da empresa Kopp. Segundo Sikora, o estudo foi solicitado pelo secretário de serviços urbanos na época, José Eurides de Moraes. Como não tinha conhecimento técnico para fazer o edital, o advogado revelou que se socorreu de editais de outras cidades que já tinham feito o mesmo processo, mas tomando cuidado para que a empresa vencedora não fosse sempre a mesma. Sikora afirmou que partes das licitações tiveram trechos copiados, o que considera normal dentro do processo legislativo. Com relação ao estudo técnico disse que não teve contato e que a sua participação foi apenas relacionada ao edital que determinou a licitação. Apesar do edital de Passo Fundo ser semelhante aos de outras cidades, o advogado garantiu que em nenhum momento foi direcionado para beneficiar qualquer empresa. Por fim, afirmou que os equipamentos contratados pelo município foram os que melhor atenderam o edital e as necessidades técnicas para a cidade.

Jogo de empurra
O presidente da CPI, vereador Márcio Tassi, avaliou que mesmo que tenha colaborado, o advogado foi mais um a não responder a grande pergunta de quem esteve à frente de todo este processo. Tassi diz que cada depoente empurra para outro setor a responsabilidade, por isso o depoimento pouco serviu para esclarecer as dúvidas, principalmente sobre a realização do estudo técnico e a questão da contagem de veículos, que determinou os locais para instalação dos pardais. Tassi adiantou que a comissão vai continuar trabalhando e investigando e para as próximas reuniões já estão definidos os depoimentos. Na segunda-feira 04 de julho, será a vez do servidor Sidnei Bonfante, que teria participado da contagem de veículos e o advogado Mário Fornari, da procuradoria do município. Para a outra segunda-feira, 11 de julho, será convocado o responsável na época pela coordenadoria de licitações da Prefeitura.

Gostou? Compartilhe