Descarte irregular de esgoto e lixo preocupam grupo ambiental

As situações foram verificadas no bairro Manuel Corralo e encaminhadas ao MP. Neste mês, outros pontos do município devem ser vistoriados

Por
· 2 min de leitura
Foco de lixo encontrado no bairro Manuel CorraloFoco de lixo encontrado no bairro Manuel Corralo
Foco de lixo encontrado no bairro Manuel Corralo

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O depósito irregular de lixo e a falta de tratamento de esgoto em alguns bairros de Passo Fundo vêm chamando a atenção do Grupo Ecológico Sentinela dos Pampas (Gesp). No último mês a entidade foi, acompanhada pela Companhia de Policiamento Ambiental da Brigada Militar, vistoriar uma área próxima a Avenida Sinimbú, Bairro Manoel Corralo. No local, foram verificados focos de resíduos urbanos, queimadas e esgoto doméstico irregular.

O diretor do Gesp, Paulo Fernando Cornelio, explica que apesar dos depósitos não serem grandes, eles preocupam porque o local é uma área de preservação permanente e fica próxima de nascentes. “Além do lixo, o esgoto doméstico está sendo despejado em uma área de banhado, que posteriormente é lançado, sem tratamento prévio, no Rio Passo Fundo. Conforme moradores residentes nas proximidades, o odor de esgoto é muito forte, principalmente nos dias de mudanças de temperatura”, pontua o diretor.

Com a expansão da cidade, o processo de urbanização precisa ser sustentável. “Na área onde está sendo depositado os resíduos, foi identificado focos de fogo, mostrando que é constante o uso desta atividade. Além deste problemas , uma área importante de banhado está sendo comprometida, contaminando a área úmida, o solo e prejudicando a saúde públicas dos moradores”, analisa Cornelio.

A situação foi encaminhada ao Ministério Público e discutida na reunião de julho da Assembleia Permanente pela Preservação Ambiental (APPA). Neste mês, o Gesp pretende visitar e mapear outros locais em que possivelmente estejam ocorrendo situações similares de crime ambiental. “Apesar do lixo não ser em grandes proporções, já encaminhamos a situação ao MP, para que chame os órgãos responsáveis para que não seja ampliado aquele depósito de lixo. Porque se a população começa a colocar fogo e largar lixo lá e não for detido, pode haver um lixão no local”.

Dever da população

No caso do foco de lixo no bairro Manuel Corralo, o diretor do Gesp questiona a população. “O poder Executivo Municipal está fazendo o seu papel, tem a coleta com os caminhões da Codepas e das empresas. O que está fazendo com que a população deposite lixo no local?”, indaga.

Para reforçar o trabalho de educação ambiental o grupo pretende chamar a atenção do Conselho de Meio Ambiente à questão da coleta seletiva de lixo. “Alguns anos atrás, houve uma campanha muito grande e a gente conseguiu reduzir significativamente os depósitos clandestinos que tinha na cidade. Mas ainda existe alguns depósitos de menor porte em diversos locais.Além do processo de educação ambiental, tem de ocorrer também o processo de fiscalização. Temos que responsabilizar as pessoas sobre os depósitos clandestinos de lixo”, conclui.

Gostou? Compartilhe