Dom Altieri renuncia depois de ter gestão questionada

Desde a criação da então diocese de Passo Fundo, foram dois bispos e dois arcebispos a frente da Igreja local. Entre os quatro, Dom Altieri foi o pastor com o menor tempo de gestão

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

 

Dois meses antes de completar três anos desde que assumiu a Arquidiocese de Passo Fundo, Dom Antonio Carlos Altieri teve seu pedido de renúncia aceito pelo Papa Francisco na manhã desta quarta-feira (15). O anúncio foi feito através do Boletim Diário do Vaticano, que comunicou, em italiano, a decisão em admitir a renúncia de Altieri. “O Papa Francisco aceitou a renúncia ao governo pastoral da Arquidiocese de Passo Fundo (Brasil), apresentada por Mons. Antonio Carlos Altieri, SDB, em conformidade com o Código de Direito Canônico”, informou o texto traduzido.

A notícia foi anunciada também, 76 dias depois da primeira visita de Dom Claudio Hummes, Prefeito Emérito da Congregação para o Clero em Roma, a Passo Fundo. Na ocasião, Dom Claudio ouviu 72 padres da arquidiocese e, em sua segunda visita, escutou religiosos, religiosas e leigos. Em uma carta divulgada após a notícia da renúncia, Altieri lembrou a visita: “O resultado da recente visita Apostólica realizada por Dom Claudio Hummes, a mim apresentado pelo Sr. Núncio, Dom Giovanni D´Annielo, deixou-me convencido da inaceitação de minha atuação pela maioria dos que tiveram a possibilidade de dialogar com o Emmo. Sr. Cardeal”, declarou Altieri. O agora Arcebispo Emérito pontuou que seu pedido de renúncia foi um gesto de bom senso, já que depois da visita, percebeu o descontentamento da comunidade com sua forma de gestão. “Diante deste resultado, com muita simplicidade, achei por bem do povo e da Igreja renunciar. Agora me coloco a disposição para continuar servindo como salesiano, como padre, como bispo”, disse.

Ordenado sacerdote no dia 17 de dezembro de 1978, bispo em 28 de outubro de 2006 e elevado a arcebispo pelo Papa Bento XVI em 11 de julho de 2012, Altieri foi, antes de tomar posse como arcebispo de Passo Fundo, o bispo diocesano de Caraguatatuba, São Paulo, e bispo referencial do Setor Juventude do regional Sul-1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Agora Altieri afirmou que já possui algumas opções, como o Centro Universitário Salesiano de São Paulo, onde trabalhava antes de ser bispo de Caraguatatuba, ou até mesmo trabalhos missionários como em Angola, onde já permaneceu por quatro anos. “Trabalho não vai faltar. Continuarei servindo à Igreja”, declarou. Caso tivesse interesse, Altieri também poderia permanecer em Passo Fundo ao lado dos já eméritos Dom Urbano Allgayer e Dom Ercílio Simon, como prevê o Código de Direito Canônico (can. 402 § 1): “O Bispo, cuja renúncia ao ofício tiver sido aceita, mantém o título de emérito de sua diocese e pode conservar nela residência, se o desejar, a não ser que, em certos casos, em virtude de circunstâncias especiais, a Sé Apostólica providencia de outro modo”, diz o documento.

Principais motivos
Depois da visita de Dom Claudio Hummes, impulsionada, segundo fontes não oficiais, por uma série de reclamações e dossiês encaminhados à CNBB e ao Vaticano, outros motivos levaram Dom Altieri a tomar a decisão. “Um argumento muito claro que apresentei ao Papa foi a questão da não aceitação que recebi e, também, devido ao meu modo de ver e entender a caminhada das pessoas, como por exemplo, dos seminaristas. Nosso clero vê com muita dificuldade a aceitação de seminaristas de fora e, justamente, uma das coisas que pesou muito a meu respeito foi o fato de ter ordenado três sacerdotes que estiveram conosco fazendo uma experiência, pois não eram vocações locais”, explicou.

Administrador Apostólico
Após a publicação do Boletim Diário do Vaticano na manhã de ontem, a Diocese de Montenegro divulgou que seu bispo, dom Paulo Antonio de Conto será o administrador apostólico da Arquidiocese de Passo Fundo. “O bispo diocesano refletiu muito e não pôde dizer não ao Papa e à Igreja. A Diocese de Montenegro, embora sentindo em muitos momentos a ausência física de seu pastor, sente-se honrada em colaborar e abraçar a Igreja irmã que está em Passo Fundo”, afirma o texto.

Dom Paulo De Conto exercerá concomitantemente a função de bispo da Diocese de Montenegro e de administrador apostólico da Arquidiocese de Passo Fundo. Ainda nesta quinta-feira, ele deve chegar em Passo Fundo para reunir-se com o Arcebispo Emérito e o Colégio de Consultores da arquidiocese. “Vou com o espírito de servir, de ajudar, de estar ao lado, se tiver que chorar vou chorar, se tiver que sorrir vou sorrir, ao lado dos padres e do povo”, anunciou De Conto. Ele também frisou que além do título, na prática não existem diferenças entre o administrador apostólico e o bispo. “O administrador assume tudo que se refere a diocese, responde suas questões assim como o bispo ou o arcebispo”, declara.

Antecessores
Dom Altieri foi o segundo arcebispo a assumir a missão de nortear a arquidiocese, depois de outros dois bispos. O primeiro pastor, Dom João Cláudio Colling, ficou 30 anos a frente da diocese (1951 até 1981). O segundo bispo, Dom Urbano José Allgayer, comandou a ainda diocese no período de 1982 até 1999, ficando 17 anos na função. O terceiro, Dom Pedro Ercílio Simon, passou pelo período de transição, quando a diocese foi elevada para arquidiocese. Ele renunciou por motivos de saúde depois de 13 anos como bispo – entre os anos de 1999 e 2012. Já Altieri, que assumiu em 2012, foi o pastor com o menor tempo de gestão desde a criação da diocese.

Gostou? Compartilhe