Educação infantil tem novas regras

Resolução do CME regulamenta a obrigatoriedade da matricula a partir dos quatro anos e frequência mínima dos alunos de 60% nas aulas, do total de 200 horas previstas para o ano letivo

Por
· 1 min de leitura
Escolas terão que controlar a frequência escolar e atestar os processos de desenvolvimento e aprendizagem das crianças.Escolas terão que controlar a frequência escolar e atestar os processos de desenvolvimento e aprendizagem das crianças.
Escolas terão que controlar a frequência escolar e atestar os processos de desenvolvimento e aprendizagem das crianças.

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As 4 mil crianças matriculadas nas escolas de educação infantil privadas, públicas e assistenciais terão que cumprir a frequência mínima de 60% do total de 800 horas previstas para o ano letivo. A obrigatoriedade está prevista na Resolução nº21, de 2 de abril de 2014, que revogou as quatro resoluções anteriores (nº1/2013, nº 5/2006, nº10/2008 e n°13/2009) e reagrupou todas as normativas de funcionamento das EMEIS. Segundo a presidente do Conselho Municipal de Educação (CME), Carla Corrales Garcez, as escolas terão que controlar a frequência escolar e atestar os processos de desenvolvimento e aprendizagem das crianças. “A partir de agora, a educação básica também é obrigatória e será controlada pelo Conselho Municipal de Educação”.

Outra mudança importante é a obrigatoriedade da matrícula a partir dos quatro anos de idade. Anteriormente, o município tinha a responsabilidade de oferecer escola às crianças a partir dos 6 anos. A inclusão desta faixa etária já era estabelecida desde o ano passado pela Lei federal nº 12.796, que ajustou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (nº 9.394/1996), mas faltava regulamentar o atendimento nas escolas municipais, conforme explica a presidente. “O atendimento à criança deve ser, no mínimo, de quatro horas diárias para o turno parcial e de sete para a jornada integral”, acrescentou.

Turmas
O Conselho também determinou o número máximo de alunos e mínimo de professores e assistentes por turma na educação infantil. A organização deve ser feita por faixa etária completada até o dia 31 de março. Nas turmas com crianças entre 0 a 1 ano, é permitido no máximo 8 alunos e o atendimento deve ser feito por um professor pedagogo e um assistente fixo com formação em magistério. Na faixa etária seguinte, até dois anos, o máximo permitido é de 10 alunos, com atendimento realizado por um professor. Nas turmas com crianças até três anos, o máximo é de 15 alunos e na faixa etária seguinte, entre 4 e 5 anos, as turmas devem ser de até 20 crianças, sem necessidade de assistente. Além disso, a escola deve ter um assistente volante para atender as turmas com crianças acima de dois anos. O número de alunos poderá ser ampliado, mas respeitando a proporção de criança/assistente.

Educação especial
Segundo Carla, as alterações também englobam educação especial. “Quando houver aluno com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, o número por agrupamento deve ser reduzido e duas crianças a cada inclusão”, ressalta.

Gostou? Compartilhe