Estabelecimentos comerciais podem aderir a sistema para descarte de lâmpadas

Em Passo Fundo, 32 estabelecimentos comerciais devem receber os recipientes coletores

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Após a realização da primeira reunião com empresários do município para apresentar como funciona o sistema de logística reversa para o descarte lâmpadas, a Prefeitura de Passo Fundo, por meio da Secretaria de Meio Ambiente, e o Ministério Público Estadual convidam mais estabelecimentos comerciais para fazer parte da iniciativa. 

O foco principal são lojas de materiais de construção, de material elétrica e outros comerciantes do setor, além de mercados. Em Passo Fundo, 32 estabelecimentos comerciais devem receber os recipientes coletores, sem nenhum tipo de cobrança ao estabelecimento e nem ao consumidor final, sendo que alguns já receberam os coletores. A existência de um ponto de recebimento também significa para o comerciante a possibilidade de aumento de vendas por ter o descarte correto. 

Segundo o secretário de Meio Ambiente, Rubens Astolfi, os estabelecimentos interessados em aderir ao projeto podem fazer o cadastro na própria secretaria, no setor de Resíduos. “Encaminhamos a documentação necessárias para as empresas que querem ser pontos coleta sem custo nenhum. Ter esse sistema em Passo Fundo também faz parte das metas da Política Nacional de Resíduos Sólidos e do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, através da lei municipal 5286/2017”, destaca. 

A ação é um avanço para a cidade, que não tem o serviço para a população fazer o descarte. Para o promotor de Justiça, Paulo Cirne, a possibilidade de regularização da questão das lâmpadas fluorescentes é muito importante pelo ponto de vista ambiental. “Depois de muitas iniciativas está sendo possível concretizar o sistema de logística reversa sem qualquer custo para população ou lojistas. É uma sistemática que auxilia muito na destinação final dessas lâmpadas, que poderão ser recicladas. Uma notícia importante e que permite a solução para um problema antigo. Como essas lâmpadas possuem mercúrio elas trazem danos ambientais, contaminando o solo e a água se não descartadas corretamente”, diz. 

A logística será organiza pela Reciclus, que é uma organização sem fins lucrativos, idealizada, formada e sustentada por empresas fabricantes, importadores de lâmpadas e equipamentos de iluminação e seus stakeholders.

Como funciona o sistema da Reciclus
A Reciclus organiza e desenvolve a coleta e o encaminhamento correto de lâmpadas fluorescentes, através de pontos de coleta distribuídos pelo Brasil. A partir da coleta, é responsável pelo encaminhamento de cada um dos elementos das lâmpadas para o armazenamento correto de componentes nocivos e reciclagem das outras partes, como o vidro. Isso é chamado de logística reversa.

As lâmpadas de sódio, mercúrio ou mistas possuem componentes não-reutilizáveis, que necessitam ser armazenados em lugares especiais após o descarte e encaminhamento correto. Outros materiais da lâmpada descartada, como o vidro, que representa 95% da composição, e metais, podem ser separados e enviados para reciclagem, se tornando novos produtos.

Gostou? Compartilhe