GESP denuncia degradação de Brizoleta no interior de Passo Fundo

Escola construída durante o governo de Leonel Brizola é remanescente do período de expansão da alfabetização

Por
· 2 min de leitura
Divulgação/GESPDivulgação/GESP
Divulgação/GESP

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Na virada da década de 1950 para 1960, as crianças gaúchas, que a cavalo ou a pé após percorrerem um longo itinerário pelas estradas de chão batido, de longe já identificavam a construção de tábuas horizontais na qual passariam horas recebendo classes de língua portuguesa, matemática e até de educação moral e cívica. As ‘Escolinhas do Brizola’ ou ‘Brizoletas’, como ficaram conhecidas, são um marco do período de expansão da alfabetização nas séries iniciais proposta pelo então governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola (PTB).

Resultado local mais visível da gestão brizolista, que pretendia escolarizar todas as crianças em idade dos 7 aos 14 anos para reduzir o índice de analfabetismo gaúcho que, à época, girava em torno de 40%, segundo os registros históricos, a Escola Municipal Padre Antônio Vieira, situada no interior de Passo Fundo, na localidade de Nossa Senhora da Paz, ainda conserva as características modestas das construções escolares pré-fabricadas, geralmente com uma ou duas salas de aula. Única remanescente do período, na cidade, ela foi tombada como Patrimônio Histórico Cultural do Município ainda em 1989.

De ícone arquitetônico a objeto de lembrança pelos mais saudosistas, o prédio voltou a ser alvo judicial na última quarta-feira (9) quando o Grupo Ecológico Sentinela dos Pampas (GESP) pediu ao Ministério Público a reabertura de um inquérito civil para a recuperação do local e a responsabilização do Poder Público Municipal por aquilo que, no ofício encaminhado, chamaram de “omissão com o patrimônio histórico arquitetônico da cidade”. Segundo o coordenador do GESP, Paulo Cornélio, durante uma incursão dos voluntários da entidade ambiental ao local, foi constatado que a construção estava vandalizada e em “péssimo estado de conservação”. “O beiral está destruído, algumas janelas foram quebradas e não há limpeza”, detalhou. 

Patrimônio restaurado

Em 2004, como lembrou Cornélio, o grupo já havia ingressado com uma ação judicial solicitando a recuperação do prédio histórico. A decisão favorável à petição, no entanto, só veio quatro anos depois. Arquiteta e urbanista, a atual secretária de Planejamento de Passo Fundo, Ana Paula Wickert, foi a responsável pelo projeto de restauração da Escola Municipal Padre Antônio Vieira, em 2009. “Foi feito um documento que repassava a responsabilidade pelo uso e cuidados para a comunidade. Estamos nos reaproximando dessa temática e nos organizando”, explicou Ana Paula ao jornal O Nacional, ressaltando que o Poder Público ainda não foi notificado pelo Ministério Público ou procurado pelo GESP. “O nosso trabalho com o patrimônio histórico é continuado. Sempre estamos fiscalizando e averiguando. O tema do patrimônio é muito precioso”, destacou a secretária.

Gostou? Compartilhe