Iniciadas as tratativas para novo modelo prisional em Passo Fundo

A reunião consolidou a fundação da entidade no município

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC) em Passo Fundo realizou esta semana, mais um encontro em direção a implantação do novo modelo prisional. A reunião consolidou a fundação da entidade no município, tendo na pauta a aprovação do estatuto e a nomeação da diretoria.
A assembleia foi coordenada pelos promotores de justiça Marcelo Pires da Silveira e João Paulo Cardoso. Representaram o Legislativo o presidente da Casa, Pedro Daneli (PPS), e o vereador Fernando Rigon (PSDB). O encontro também contou com as presenças do secretário de Segurança, João Darci Gonçalves, do presidente dos conselhos municipais, Roberto Ariotti, este representando o prefeito, Luciano Azevedo, do Procurador-Geral do Estado, João Alessandro Muller, e da juíza da Vara de Execução Criminal, Lisiane Pires Sasso. Daneli reiterou, na abertura do evento, a importância da implantação da Associação no município, por se tratar de um tema que diz respeito diretamente à comunidade. “O Legislativo está sempre à disposição, pois este é um tema que envolve todos nós e que deve representar um avanço em nossa sociedade”, afirmou.
O evento recebeu participantes de diversas entidades sociais, comunitárias e religiosas, de integrantes ligados ao Ministério Público, além de atuantes na área do Direito. Estas pessoas aprovaram o estatuto da APAC e elegeram os membros da diretoria que coordenará os próximos passos da instituição.


O promotor Marcelo ratifica que o método prisional proposto é muito eficiente, pois, além de uma ressocialização mais efetiva do apenado, o índice de reincidência é consideravelmente menor. “Enquanto, nos moldes tradicionais, os números atingem até 80%, no método da APAC, a reincidência é de até 30%”, reforçou.


Para tanto, antes de ser efetivada, a entidade necessita de uma formalização. Segundo a consultora jurídica da entidade, Maiara dos Santos, os próximos passos são a regularização da ata e do estatuto junto ao cartório de títulos e a certificação pela Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (FBAC). Ela salienta que são necessários alguns procedimentos para que seja dado andamento à implementação do método no município. “Ainda será feita visita na APAC de Barracão, no Paraná, pelos membros da diretoria e demais associados e interessados. Enquanto isso, será discutida com os órgãos públicos a sede de instalação da APAC Passo Fundo”, pontuou.

Gostou? Compartilhe