Lar da Menina abre processo para novas vagas

Entidade quer ampliar os serviços oferecidos às meninas, em decorrência do encerramento das atividades da Escola de Educação Infantil

Por
· 3 min de leitura
Cerca de 100 meninas são assistidas pelo Lar da MeninaCerca de 100 meninas são assistidas pelo Lar da Menina
Cerca de 100 meninas são assistidas pelo Lar da Menina

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Possibilitar a crianças e jovens garotas de Passo Fundo a inserção em atividades lúdicas e profissionais, preparando-as para o mercado de trabalho e o convívio com pessoas e novas culturas, são as metas do Lar da Menina Padre Paulo Farina. A entidade está com inscrições abertas para o acesso de meninas no próximo ano, de quatro anos, completos até 31 de março de 2019, a 14 anos. Atualmente, cerca de 100 meninas são assistidas pelo Lar, que há 62 anos realiza atividades do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (assistência social) desenvolvidas no turno inverso ao escolar. Por isso, é obrigação matricular as meninas em uma Escola regular no outro turno.

 

“Antes o Lar atendia a partir do primeiro ano, que é a idade das Escolas, mesmo porque na idade de antes, era a faixa etária que nós tinhamos a Escola de Educação Infantil Beneficente Lucas Araújo. No ano que vem, com o encerramento da Educação Infantil, a gente ampliou para atender no Lar da Menina a partir dos quatro anos, que inclui a idade da pré educação”, ressalta a assistente social da Instituição, Camila Bottesini.

 

A grande maioria das meninas frequenta a Escola Maurício Sirotsky Sobrinho, próximo a Instituição, o que torna o acompanhamento do alunos mais preciso. “É obrigatório por lei na idade delas estarem na escola, então não tem como nós oferecer a vaga se elas não estiverem matriculadas no ensino regular. Nós desenvolvemos atividades de assistência social e a escola, de educação. Nós percebemos que muitas dessas meninas aprimoraram suas habilidades e conseguiram melhorar o nível de aprendizado. Por isso, esse trabalho é muito importante para nós”, salienta a assistente social.

 

Oficinas
A entidade realiza atividades que envolvem a inclusão entre os grupos. Oficinas de música, culinária, informática, dança, capoeira, artes, contação de histórias e grupos para discussão de assuntos atuais e que fazem parte do cotidiano das meninas. Para dar conta de todas as atividades, o Lar da Menina possuí cerca de 15 profissionais.

 

“Eu acho que o trabalho desenvolvido com essas meninas é de grande importância. A grande maioria delas não teria condições de buscar tantas outras oficinas e oportunidades fora daqui, mesmo porque teriam que pagar por isso, e aqui a gente oferece gratuitamente um serviço que é de qualidade e bem diversificado. A grande maioria das meninas e famílias vivenciam situação de vulnerabilidade ou risco social, e essas oportunidades podem ser únicas”, explica Camila. 


Como participar da seleção
As famílias que têm interesse em inscrever para concorrer à uma vaga para o Lar da Menina, devem apresentar os documentos solicitados na resolução, junto à coordenação da Entidade, das 8h às 11h e das 13h30 às 17h, até sexta-feira (23). Na avaliação serão consideradas - renda bruta familiar, número de pessoas do grupo familiar e vulnerabilidade socioeconômica.

 

“Na verdade como é a parte de assistência social, nós procuramos atender o público que realmente precisa. Então, não quer dizer que se inscrevendo ela já está fazendo parte do Lar. A gente realiza uma seleção e analisa todos critérios. Por isso, é importante, que toda a documentação esteja de acordo com a realidade de cada família”, esclarece Camila.


A Fundação
A Fundação Lucas Araújo desde quando deu inicio as suas atividades atendeu meninas e meninos carentes, atentendo pelo nome de Asilo de Crianças. Por muitos anos, a instituição funcionou em caráter de internato, onde as crianças permaneciam todos os turnos. A partir de 1956, o atendimento passou a ser realizado apenas para meninas. O que permaneceu, foram os espaços de convivência, formação para a participação e cidadania, desenvolvimento da autonomia destas crianças e adolescentes, a partir dos interesses, demandas e potencialidade. A Fundação completa 90 anos em 2018.

 

Além disso, A Fundação oferece os abrigos de Idosos São José e João XXIII, que atendem 70 idosos em caráter de moradia. Para estes idosos o ambiente é como o próprio lar. Os idosos são divididos em alas de acordo com as necessidades. Os mais debilitados ficam na ala João XXIII e os mais independentes, na ala São José. O ambiente é voltado para acolhe-los e certificá-los de seus diretos, mantendo os familiares próximos, preservando os vínculos, e quando rompidos, a entidade atua com a intenção de reatar.

Gostou? Compartilhe