Líderes religiosos debatem a liberdade de crenças

Seminário de Direitos Humanos e Religiosidade Popular, promovido pela Comissão de Direitos Humanos de Passo Fundo, acontece na noite desta terça-feira

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A liberdade de crença, seja ela de origem religiosa, filosófica ou ideológica, é um dos direitos humanos mais importantes. Constitui aquilo que ficou conhecido na história como uma das liberdades fundamentais expressas na Declaração Universal dos Direitos Humanos, embora nem sempre toda a variedade de crenças seja respeitada, especialmente tratando-se das religiões de matriz africana, ainda pouco compreendidas. É para lutar contra essa intolerância e oferecer um espaço de reflexão sobre o direito à liberdade de crença e expressão que a Comissão de Direitos Humanos de Passo Fundo (CDHPF) promove, pela primeira vez, o Seminário de Direitos Humanos e Religiosidade Popular. O evento acontece nesta terça-feira (16), a partir das 19h, na Universidade Federal da Fronteira Sul. Toda a comunidade é convidada a participar de maneira gratuita.

 

A mesa de debates será composta por líderes de diferentes religiões, entre eles o pastor da Igreja Evangélica de Confissão Luterana, Adélcio Kronbauer; o babalorixá da Comunidade Tradicional de Terreiro Ilê Axá Orixá Urê, Bàbá Hendrix Silveira; a monja oficial do Soto Zen Japonês, Monja Isshin; a vice-diretora do Instituto de Teologia e Pastoral, Selina Dalmoro; o dirigente do Centro Espírita Dias da Cruz, Paulo Afonso Eberhardt; o presidente da Sociedade União Israelita de Passo Fundo, Berel Natan Engelman; e o presidente da Sociedade Beneficente Mulçumana de Passo Fundo, Radwan Mohamed Jehani.


Cada um dos palestrantes tem em torno de quinze minutos de fala para conversar sobre o modo com que a religiosidade popular se manifesta em suas religiões. Em seguida, o debate será aberto para participação do público, que poderá compartilhar vivências pessoais em torno do assunto e de como sua religião é vista dentro do município. A intenção é fortalecer a construção de estratégias que façam frente às práticas agressivas e de exclusão, que violam o direito da liberdade de crença. “Nós excluímos justamente aquilo que não conhecemos. Quando percebemos que a religiosidade do outro também tem o belo e o significativo, começamos a respeitar e deixar de ver como ameaça e sim como o encontro de expressão dentro de uma cultura. Então, trabalhar a religiosidade popular a partir da perspectiva dos direitos humanos é a oportunidade de abrir um leque de reflexão que sai do simples viés da crença e passa também pela discussão acerca de liberdade de expressão e da dignidade de vida”, justifica a coordenadora de formação do CDHPF, Edivânia Rodrigues, sobre o objetivo do seminário.


O seminário integra o curso de Agentes Promotores de Direitos Humanos, organizado pelo CDHPF, e visa preencher uma lacuna presente no cronograma da formação, conforme comenta Edivânia. “Articulamos o seminário porque percebemos que a temática da espiritualidade e religiosidade popular não estava contemplada no conteúdo e sabíamos o quanto era importante pensar a questão dos direitos humanos em um momento em que a gente vive uma intolerância frente às religiões, especialmente as de matriz africana”.

 

Programação do evento
• 19:00 – 19:30: Credenciamento
• 19:30 – 19:40: Abertura
• 19:40 – 20:50: Intervenções da mesa
• 20:50 – 22:00: perguntas, demais contribuições e encerramento

Gostou? Compartilhe