OPINIÃO

Livros

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?


Li em algum lugar sobre um autor (filósofo, talvez) que trabalhava duramente mas, ao chegar em casa, tomava um delicioso banho morno, alimentava-se e detinha-se aos seus grandes amigos, os escritores das centenas de livros que mantinha em sua biblioteca particular. Ali, nas páginas, fazia imersão em outros mundos e outras ideias, reabastecia-se e partia aos grandes mundos, de personagens que superavam seus cotidianos. Esse fim-de-semana minha mulher - ou melhor, a mulher que aceitou casar comigo – e eu vamos ao Vale dos Vinhedos na pré-vindima para uma espécie de mini lua-de-mel e, é claro, levarei alguns autores a reboque. Acabei de ler Lusardo, o Último Caudilho (Glauco Carneiro) e fiquei feliz em estar envolvido com Assis Brasil - Honório Lemes - João Batista Lusardo - Arthur Caetano de um lado e Borges de Medeiros - Flores da Cunha - Osvaldo Aranha - Alceu Wamosi, de outro. É sobre um tempo de lutas e carnificinas em nome da liberdade, sem mocinhos e bandidos, entre mercenários e visionários. Para entender o Rio Grande é preciso entendê-los e saber porque se grita “ah, eu sou gaúcho” . Lusardo, o Centauro dos Pampas, foi o último caudilho e, além, foi médico e advogado. Como aluno de medicina estudou com Sarmento Barata em Porto Alegre e Miguel Couto e Afrânio Peixoto no Rio. Lá fez parte nas brigadas contra a peste bubônica em 1919. Foi seguidor das ideias de Assis Brasil – “sonho em viver num país onde os homens sejam governados pelas leis e não num país onde os homens governem as leis”. Adversários, inimigos de sangue mas, que a partir do tratado de paz de Pedras Altas resolveram se unir em nome de uma personalidade que representava o anseio momentâneo do povo gaúcho – Getúlio Dornelles Vargas.
Vai comigo Barbosa Lessa (Rio Grande do Sul, prazer em conhecê-lo), Rossano Cavalari (Os Olhos do General, sobre o cruzaltense Firmino de Paula), Ricardo Lopez (Coração de Caudilho, história de Gumersindo Saraiva) e Heleno Alberto-Marco Antônio Damian (Páginas da Belle Èpoque Passofundense). De quebra, levo Ruy Castro (Chega de Saudade) e Nelson Motta (As 101 Canções que Tocaram o Brasil).
Aliás, Marco Damian está acabando um livro sobre aquele jogo “amistoso” de 1972 entre a Seleção Nacional (Caju, Rivelino, Jairzinho e Leivinha) contra o combinado Grêmio (Ancheta, Torino, Oberti, Espinosa, Everaldo) e Inter (Schneider, Figueroa, Tovar, Carbone, Valdomiro, Claudiomiro), único jogo de futebol no Brasil envolvendo a seleção campeã do mundo em 1970 em que não havia uma única bandeira do Brasil no estádio Beira-Rio. Vejam vocês que a revolução entre os gaúchos-castelhanos contra o restante do país se daria, agora, nos limites do campo do futebol. Duas particularidades: antes Getúlio uniria desafetos, agora Everaldo Marques da Silva faria isso. Antes lutávamos em nome de um libelo contra o governo central, agora era simplesmente pela não convocação de um atleta tricampeão do mundo que representava nossa alma castelhana. Aguardemos o lançamento de Marco Damian.

Gostou? Compartilhe