Maanaim em crise

Problemas se agravaram depois que o Caps AD, adotou a medida de somente encaminhar pacientes para as comunidades terapêuticas após a fase de desintoxicação

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Após 14 anos atendendo usuários de droga e álcool, a  comunidade terapêutica mais antiga da região Norte do Estado passa por sérias dificuldades financeiras e corre o risco de encerrar as atividades. Com um déficit de aproximadamente R$ 5 mil mensais, a direção da Casa Maanaim, instalada na localidade de Água Santa, distante cerca de 40 quilômetros de Passo Fundo, anunciou não ter mais condições de manter a atual estrutura. Presidente da entidade desde sua fundação, o delegado da Polícia Federal, Mário Luiz Vieira, classifica o momento como a 'pior crise’ enfrentada pela entidade em quase uma década e meia de existência, e vai além. “Nunca passamos por uma dificuldade como agora. Se a situação não mudar, fecharemos em três meses” decretou.

A crise, segundo ele, se agravou a partir de janeiro deste ano, com a suspensão de um convênio de 20 vagas mantido com o Serviço Único de Saúde (SUS), e depois que o Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD), órgão ligado  à Secretaria Municipal de Saúde, adotou a medida de somente encaminhar pacientes para as comunidades terapêuticas após a fase de desintoxicação. “Depois de passar 10 ou 15 dias internado, o usuário sai fortalecido do hospital e evidentemente não quer mais seguir o tratamento numa comunidade. Ele volta para a rua e cai novamente no uso do crack. A internação tem que ser feita no momento em que ele manifesta o desejo de se curar. Isso é básico” diz Vieira.

Além de acirrar o debate sobre o método de tratamento do dependente, a decisão teve impacto nas finanças da Maanaim. Pelo convênio mantido com a Prefeitura Municipal, a entidade disponibiliza 10 vagas para internação com um custo mensal de R$ 800 por pessoa durante seis meses. Diretora executiva da entidade, Xiomara Inês Oldenburg Vellas, afirma que, apenas metade das vagas está sendo preenchida desde o início do ano. “Temos uma estrutura com médico, enfermeiro, psicólogo, diretor, além da alimentação e manutenção. Um custo mensal de aproximadamente R$ 20 mil. Sabemos da quantidade de dependentes necessitando de internação em Passo Fundo, no entanto, as  vagas estão sobrando aqui” comenta.

Para o presidente do Conselho Municipal Sobre Drogas de Passo Fundo, pastor Selmir Fagundes, exigir a desintoxicação para usuários de crack antes da internação é um ‘tiro no pé’. A dificuldade, diz, começa pelo número reduzido de leitos nos hospitais para atender a demanda. Conforme o Caps AD, são 12 no Hospital Municipal e 35 no Hospital Psiquiátrico Bezerra de Menezes. “O paciente fica na rua, assaltando, roubando em busca de dinheiro para conseguir a droga, enquanto poderia estar numa comunidade. Trabalho há mais de 10 anos com essa questão. Não conheço nenhum dependente que está em pé (sem usar a droga), há três ou quatro anos, sem ter passado por um trabalho espiritual numa comunidade terapêutica. Sei que existe muita desistência do tratamento, mas se ele não voltar a ser internado,  a possibilidade de recuperação não existe” ressalta.

A matéria completa você confere nas edições impressa e digital de O Nacional. 
Assine Já

Gostou? Compartilhe