Na esquina da Ughini

Construído em 1945 o prédio foi um ícone do comércio regional

Por
· 2 min de leitura
Ughini: época inicial em Passo FundoUghini: época inicial em Passo Fundo
Ughini: época inicial em Passo Fundo

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Os Bombeiros Voluntários de Tapejara também auxiliaram no combate ao incêndio, segunda-feira à noite em Passo Fundo. O prédio em chamas tinha uma forte ligação com Tapejara, pois foi erguido para a Ughini S/A. Fundada em 04 de junho de 1927, a empresa era de Sede Teixeira, hoje Tapejara. O enorme prédio foi construído em 1945 para abrigar a grande atacadista da época. Se o prédio da Ughini ainda é um referencial no centro de Passo Fundo, imaginem sua imponência e importância há 69 anos. Ficava próximo às estações rodoviária (atual Sicredi) e ferroviária, em área onde fervilhavam as atividades comerciais. Passo Fundo já era um grande polo regional, com importantes representações comerciais e uma agropecuária forte. E nessa história, a Ughini tem muitas histórias.

Atacado e loja
“O prédio foi construído em 1945 pelo Barão, um construtor famoso da época, era tipo engenheiro, mestre de obra e construtor”, explica Darci Ughini, 72 anos, um dos proprietários do prédio. Foi no ano em que a família veio de Tapejara, liderada pelos irmãos Camilo e Luiz Ughini. Depois, da Ughini S/A surgiu a Comercial Ughini. Tapejara, Passo Fundo e em seguida Porto Alegre. Como atacadista, a Ughini tinha 12 representantes e atendia grande parte do Rio Grande do Sul e o Oeste Catarinense. “Éramos os maiores revendedores da São Paulo Alpargatas no sul do país. Os viajantes chegavam e passavam pela Ughini, Grazziotin e Lago Iaione. Visitavam rápido e logo pegavam o ônibus de volta. Era um atacado até 1980, depois partimos para o varejo”. E foi uma grande loja, com departamentos internos de tecidos às ferragens até 1997, quando encerrou as atividades. “Tínhamos quase 20 mil fichas de crediário, com gente daqui e da região”, lembra com orgulho.

Família Ughini
Com o fechamento da loja a área foi dividida entre os sócios. Assim, o prédio mais novo ficou com um irmão e o principal com áreas rateadas entre outros dois. Ainda remanescentes da empresa existem depósitos, também alugados. Se o prédio da Ughini é um referencial, a família também está presente em muitos segmentos. “Alguns na medicina, outros na pecuária”, cita Darci, casado com Lourdes, pai do pecuarista Valeriano e do médico Adriano, que reside no Pará. Por muitos anos, ele atuou como cronista esportivo, anunciado pelo bordão ‘se Darci Ughini falou, ninguém duvidou’. O nome Ughini tem forte relação com o futebol, mas dividido. Lembra que o irmão, Devino, conhecido como ‘Periquito’ foi presidente do 14 de Julho. Delvo e Darci também escolheram o vermelho, mas o irmão Delírio e alguns primos vestiram o verde do Gaúcho. Na capital, Lacy Ughini, que brilhou na justiça desportiva, era casada com Alécio Ughini, diretor da empresa em Porto Alegre.

Gostou? Compartilhe