O melhor amigo do gaúcho

O cavalo faz parte da identidade cultural do gaúcho e por isso o grupo mais antigo de cavaleiros do município fala sobre a mágica de trotear por esse Rio Grande a fora

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Já dizia a música que “um gaúcho sem cavalo, é um arreio sem estribo, é igual a um pajé solito, sentindo a falta da tribo”. As palavras cantadas pelo grupo “Os Monarcas” poderiam ilustrar a paixão dos Cavaleiros do Mercosul pelo melhor amigo do gaúcho. A entidade foi criada há 16 anos e hoje é formada por 25 cavaleiros.  Já cavalgaram a Buenos Aires, Argentina, Chile e Uruguai. Ao todo, são mais de 11 mil quilômetros percorridos.

O Grupo Tradicionalista e Cultural Cavaleiros do Mercosul faz muito mais que cavalgar e apreciar as belas paisagens desse Rio Grande. O objetivo dessas cavalgadas é defender o resgate da cidadania e da democracia.

Seu primeiro trajeto foi traçado em 1995, denominado “Cavalgada de Passo Fundo a Buenos Aires”, num percurso de 1.310 km durante 30 dias. A vontade surgiu a partir de um estudo da Universidade de Passo Fundo, que apontava que os caminhos mais curtos entre São Paulo e Buenos Aires, interior do Uruguai e Chile passavam pela região do Planalto Médio. O grupo resolveu mapear o trajeto a pata de cavalo e aproveitaram para realizar reuniões e encontros com autoridades para divulgar a nova rota do Mercosul.

Entre as viagens está a de 1997 a São Paulo, a fim de completar a rota. Em 1998 com a mesma finalidade promoveram a Cavalgada de Passo Fundo, São Borja e Santo Tomé, na Argentina. Em 2000, percorreram 2.550 km, em 60 dias, na Cavalgada de Passo Fundo ao Chile, passando pela Argentina, Santiago e, finalmente até a Vinã Del Mar, no o Oceano Pacífico. Participaram de uma cavalgada a Palmeira das Missões com o objetivo da liberação do plantio e comercialização da Soja Transgênica e em 2007 também realizaram a Cavalgada pela Ética, Moral e Bons Costumes na Política, até Porto Alegre.

Há seis anos, o grupo, em parceria com a Brigada Militar, encena a Batalha do Pulador que aconteceu em um distrito de Passo Fundo durante a Revolução Federalista de 1893, sendo reconhecida como a batalha mais sangrenta do Brasil.Morreram mais de mil combatentes e centenas ficaram feridos. Mais de 20 mil pessoas assistiram ao espetáculo na última edição. O grupo é formado por um comandante, um subcomandante, um coordenador de cavalgadas, um secretário, um tesoureiro e um conselho fiscal.

Confira esta e outras matérias no Especial Tradicionalismo na edição impressa e digital do Jornal o Nacional

Gostou? Compartilhe