OPINIÃO

O Monumento Teixeirinha

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

É no centro de Passo Fundo que se localiza um dos principais monumentos de referência urbana passo-fundense, criado em homenagem a um dos maiores artistas sul rio-grandenses, o cantor e compositor Vítor Mateus Teixeira, ou simplesmente Teixeirinha. Muitos transeuntes, ao contemplar tal monumento, podem questionar qual teria sido a motivação e como se deu a criação de tal obra. Para tal intento pesquisou-se nos jornais O Nacional e Diário da Manhã, ambos arquivados no AHR, nos quais buscam-se evidências para sanar esta questão.


Teixeirinha foi um dos grandes nomes da música sul rio-grandense, seu sucesso se fez ver em números, vendeu milhões de discos. Enquanto cantor iniciou sua carreira de sucesso quando ainda morava e trabalhava em Passo Fundo, tendo composto a música, “Gaúcho de Passo Fundo”, em homenagem a cidade que, mais tarde, no ano de 2002, através da Lei Municipal nº 3892, tornar-se-ia a música símbolo da cidade


Embora não tendo nascido em Passo Fundo, recebeu uma série de homenagens dos passo-fundenses. Dentre as várias homenagens feitas pelo poder público municipal, primeiramente temos a entrega do título de “Cidadão Passo-Fundense”, ainda em vida no ano de 1962. No ano de 1989, como forma de homenagear Teixeirinha, o Poder Legislativo, através do vereador Tadeu Karczesky propôs, através da lei nº 2499/89, na então administração do prefeito Airton Lângaro Dipp, a criação de um monumento em homenagem a Teixeirinha.


É a partir do momento da proposição da criação do monumento ao Teixeirinha que se inicia a produção de representações sociais de grupos que se apresentam a favor e contra o projeto, o que se reflete posteriormente em um processo de construção e desconstrução do Monumento ao Teixeirinha como expressão do patrimônio cultural passo-fundense. Tais representações foram expressas em notícias dos já referidos jornais locais. O monumento em homenagem a Teixeirinha foi ostensivamente noticiado, tanto com relação a sua proposição, criação e quanto a sua inauguração.


O vereador Tadeu Karczesky, do PDT, afirmou em notícia veiculada no jornal O Nacional que, com a inauguração do monumento Passo Fundo sanaria uma “dívida” para com uma de suas “mais ilustres personalidades”, pois teria sido Teixeirinha quem divulgou o nome de Passo Fundo através de seu trabalho. Na mesma notícia o vereador esclareceu alguns questionamentos polêmicos sobre o monumento: destarte que a proposta teria sido de criar um monumento que representasse a pessoa do cancioneiro que divulgou o nome de Passo Fundo, mas em momento algum teria sido afirmado que na praça seria colocada uma estátua, ou busto com a figura do Teixeirinha. Tamanha foi a polêmica no que tange à criação do monumento que o próprio artista plástico, Paulo Batista Siqueira manifestou-se em notícia, reiterando que a obra foi criada pela sua interpretação artística.


Aqueles que criaram e apoiaram a construção do Monumento ao Teixeirinha produziram, via notícias, representações sociais que delinearam o referido monumento como um forte meio de desenvolvimento cultural, turístico e econômico para o município de Passo Fundo, ao passo que o monumento seria um meio de perpetuar os laços com o famoso cantor. Outras representações veiculadas pelos jornais, no entanto, ainda que considerassem a construção do monumento uma “justa homenagem” ao cantor Teixeirinha, reiteraram que a proposição de criação do mesmo como um gasto exagerado e desnecessário.


Apesar da disparidade de interpretações e representações sociais que foram produzidas em relação à criação do Monumento a Teixeirinha, o mesmo foi inaugurado em setembro de 1991, contando com centenas de pessoas, autoridades e familiares de Teixeirinha, tendo sido marcado pela forte emoção dos presentes. Polêmicas à parte, a obra segue sendo atração local para moradores e visitantes.

 

 

Adriana Carmen Brambilla - Mestranda em História (PPGH/UPF)

Gostou? Compartilhe