Passo Fundo retorna para bandeira vermelha em mapa preliminar

A região tem a maior prevalência de hospitalizações entre as regiões Covid do Estado

Por
· 3 min de leitura
Sete regiões estão em bandeira vermelha no mapa (Imagem: Divulgação)Sete regiões estão em bandeira vermelha no mapa (Imagem: Divulgação)
Sete regiões estão em bandeira vermelha no mapa (Imagem: Divulgação)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Após duas semanas em bandeira laranja, Passo Fundo foi classificada hoje (11) em bandeira vermelha no mapa preliminar do Modelo de Distanciamento Controlado do governo do Estado. A 19ª rodada foi divulgada nesta sexta no site do governo.

A região está entre os destaques como uma das regiões com maior número de novos registros de hospitalizações por Covid-19 nos últimos sete dias, por local de residência do paciente, com 92 registros. Apesar disso, houve uma redução de 5% no índice, de acordo com a nota técnica. No entanto, houve um "aumento significativo no número de óbitos nos últimos sete dias". Foram 27 mortes durante a semana até a quinta-feira (10), frente a 19 perdas na semana anterior.

A região se manteve em bandeira preta no indicador de hospitalizações confirmadas para Covid-19 nos últimos 7 dias para cada 100 mil habitantes. "Passando de 14,51 para 13,76, valor ainda elevado, que deixa a região com a maior prevalência de hospitalizações entre as regiões Covid do Estado", explica o documentos.

Por outro lado, a região continua em bandeira amarela no indicador que mede a razão entre os casos ativos na semana e recuperados nos 50 dias anteriores ao início da semana.

Vigência e cogestão

O pedido de reconsideração à classificação da bandeira, que pode ser feito via associação regional ou pelo próprio município pode ser encaminhado até as 6h de domingo (13/9). O mapa definitivo será divulgado após análise dos recursos pelo Gabinete de Crise, na tarde de segunda-feira (14/9), por meio de notícia publicada no site do governo do Estado. A vigência das bandeiras da 19ª rodada começa à 0h de terça-feira (15/9) e se encerra às 23h59 de segunda-feira (21/9).

Desde a 14ª rodada está vigente o modelo de cogestão, no qual as regiões Covid podem adotar protocolos menos restritivos à bandeira na qual estão classificados, mas no mínimo iguais à bandeira anterior. Passo Fundo está entre as regiões que adotaram a cogestão.

Estado

Na semana em que o Estado completa seis meses desde a notificação do primeiro caso de coronavírus, em 10 de março, o mapa preliminar traz sete regiões em bandeira vermelha (risco epidemiológico alto para Covid-19). As outras 14 regiões estão em bandeira laranja (risco epidemiológico médio).

Além de Porto Alegre, Erechim e Palmeira das Missões – três regiões que já estavam em bandeira vermelha e se mantiveram nesta rodada –, os indicadores apontaram piora em outras quatro regiões. Santa Maria, Guaíba, Passo Fundo e Caxias do Sul completam as sete regiões classificadas em vermelho neste mapa preliminar.

Em todo o Rio Grande do Sul, houve queda em alguns indicadores, como hospitalizações (-7%) e internados em leitos clínicos (-14%). Ocorreu também estabilização no número de leitos livres.

Como houve um aumento dos pacientes internados por outros motivos, a razão de leitos livres para cada ocupado por Covid-19 apresentou leve queda, mantendo-se abaixo de um leito livre para cada ocupado, o que exige cautela para não permitir novas acelerações no número de internações pela doença no Estado.

Até as 18h desta sexta-feira (11/9), 17 regiões haviam aderido à cogestão: Capão da Canoa, Taquara, Novo Hamburgo, Canoas, Porto Alegre, Santo Ângelo, Cruz Alta, Ijuí, Santa Rosa, Palmeira das Missões, Passo Fundo, Pelotas, Caxias do Sul, Cachoeira do Sul, Santa Cruz do Sul, Lajeado e Erechim.

Ajustes em indicadores

O governo revisou nesta rodada dois indicadores. A justificativa é a atual fase da pandemia, na qual a ocupação de leitos de UTI por Covid-19 indica um estágio de estabilização. Os indicadores alterados medem a capacidade de atendimento da rede hospitalar. Nas primeiras semanas do modelo de bandeiras, para que uma região alcançasse a classificação amarela, por exemplo, era preciso apresentar sempre um número maior de leitos de UTI livres do que na semana anterior (tanto na região quanto no Estado como um todo).

O governo do Estado conseguiu dobrar o total de leitos de UTI disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). Hoje, são 1.856 unidades habilitadas – no início da pandemia, eram 933 leitos. Diante da estabilidade de ocupação por Covid-19 nos últimos dias, se percebe agora um aumento de pacientes em UTI por outras razões (a ponto de reduzir o número de leitos livres), atendendo parte da demanda reprimida durante os meses anteriores. Ou seja, há possibilidade de haver redução de leitos livres de UTI mesmo que a pandemia se mostre estável.

No formato que vigorou até a 18ª semana do modelo, essa situação poderia representar aumento de regiões sob bandeira vermelha, mesmo sem uma maior ocupação de leitos e de hospitalizações por Covid-19. O ajuste específico nesses dois indicadores estabeleceu novos parâmetros de redução dos leitos de UTI livre para classificações de bandeira: amarela (até 10%), vermelha (até 17,5%), vermelha (até 25%) e preta (acima de 25%).

RESUMO DA 19ª RODADA

Regiões que apresentaram piora (4)

LARANJA > VERMELHA

  • Santa Maria
  • Guaíba
  • Passo Fundo
  • Caxias do Sul

Regiões que apresentaram melhora (5)

VERMELHA > LARANJA

  • Capão da Canoa
  • Novo Hamburgo
  • Canoas
  • Santo Ângelo
  • Cruz Alta


Regiões que permanecem iguais (12)

VERMELHA

  • Porto Alegre
  • Palmeira das Missões
  • Erechim

LARANJA (9)

  • Taquara
  • Santa Cruz do Sul
  • Lajeado
  • Ijuí
  • Santa Rosa
  • Uruguaiana
  • Pelotas
  • Bagé
  • Cachoeira do Sul

Notícia atualizada às 18h29

Gostou? Compartilhe