Qual a finalidade das lojas de conveniência?

O assassinato de um jovem no banheiro de um posto de combustíveis reavivou a polêmica do funcionamento das lojas de conveniência nos postos de combustíveis. Projeto de lei pretende regulamentar o serviço e já há empresário optando pelo fechamento

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Redação ON

Passo Fundo possui em torno de 40 postos de combustíveis com loja de conveniência em anexo. Cinco funcionam 24 horas. Quem mora nas proximidades de uma destas sabe: é difícil transitar, e quase impossível dormir durante as noites, principalmente entre quinta-feira e sábado. Carros com som em volume absurdo. Algazarra. Buzinaço. Bebidas liberadas. Tudo isso não é nenhuma novidade. Fazem pelo menos três anos que a polêmica do funcionamento deste serviço existe no município.

A situação mudou de foco quando uma vida foi perdida dentro de um destes estabelecimentos. Na madrugada da última quarta-feira (10), um jovem de 22 anos foi assassinado com três tiros no banheiro do posto. Havia dezenas de pessoas no local. A Polícia Civil ainda investiga o crime, mas tudo indica que uma rixa antiga entre o agressor e a vítima tenha sido o motivador. Esquecendo das circunstâncias, o crime reacendeu o debate acerca de quem é a responsabilidade pela fiscalização destes locais. Também serviu para levantar o questionamento sobre qual é a verdadeira finalidade de uma loja de conveniência?

A resposta vem do Judiciário. "O objetivo inicial das lojas de conveniência, quando estas foram criadas, era o de fornecer determinados produtos em horários nos quais o comércio estava fechado", assinala o promotor de Justiça Paulo da Silva Cirne. Ele afirma, porém, que esta finalidade, que muito serviu para a população quando do lançamento do serviço há mais de dez anos, foi totalmente deturpada. "Ao longo do tempo estas lojas viraram verdadeiros bares a céu aberto, juntando pessoas e veículos sem as mínimas condições de segurança e de isolamento acústico", avalia o promotor.

A matéria completa na edição de ON deste final de semana (06-07)

Gostou? Compartilhe