Prédio da antiga estação terá gastronomia e cultura

Autorizado pela Câmara, Executivo prepara licitação para a concessão dos espaços

Por
· 2 min de leitura
Projeto tem inspiração no modelo como o Puerto Madero em Buenos AiresProjeto tem inspiração no modelo como o Puerto Madero em Buenos Aires
Projeto tem inspiração no modelo como o Puerto Madero em Buenos Aires

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O projeto de lei do Executivo que viabiliza a antiga estação férrea do Parque da Gare como um local gastronômico e cultural foi aprovado pela Câmara de Vereadores nessa quarta-feira. Com isso, o Município poderá firmar contrato de concessão do prédio para a iniciativa privada, através de processo licitatório. A concessão do prédio faz parte do projeto de revitalização do Parque da Gare, feito pela Prefeitura, e tem o objetivo de atrair diferentes grupos de usuários em diferentes horários, mantendo o espaço vivo e seguro através da apropriação do mesmo, conforme destaca a secretária de Planejamento Ana Paula Wickert. “O uso gastronômico da antiga Gare vem complementar essa proposta inserindo no complexo um uso que terá como horário de funcionamento à noite, atraindo usuários para o local no turno em que o parque já não atrai mais tantas pessoas”, observou. Ela complementa que, tendo em vista o forte caráter cultural da área, pretende-se que os espaços gastronômicos propostos atendam a exigência de serem espaços culturais que promovam os artistas locais, com calendário de eventos ou exposições, músicos locais entre outros, mantendo a movimentação cultural que já está acontecendo no local aliada ao atrativo gastronômico. 

Para a presidente do Conselho Municipal de Cultura, Raquel Rubert, a iniciativa é muito importante para a preservação do local e para levar à comunidade lazer, cultura e entretenimento. “A aprovação do projeto nos alegra muito. Fazemos questão de acompanhar ativamente o processo, já que o Conselho abrange 10 setoriais, que representam todos setores de cultura do município”, afirmou. 

Para a coordenadora da Confraria das Artes e titular da Setorial de Artes Visuais, Lindiara Paz, é fundamental que a cultura produzida no município continue tendo acesso a essa estrutura. “Aquele é um espaço de todos nós. Temos uma grande procura de artista para expor seu trabalho, então, é importante que esse direito seja assegurado para continuar com a movimentação cultural que cresce em nossa cidade”, disse ela. 

Todas as características da arquitetura deverão ser conservadas, uma vez que o prédio é tombado como patrimônio histórico e cultural da cidade. Para o empresário Juliano Hickmann, a ocupação do espaço, que ficou muitos anos sem ser usado de forma adequada, será muito positiva para a cidade. Ele observa que a revitalização da estação férrea, assim como do parque, foi aprovada pela comunidade e deve ser preservada. O empresário Lucas Grazziotin destaca o fato de o espaço ser devolvido para a população, que poderá usufrui-lo diariamente com alternativas de gastronomia e cultura. Modelos como o Puerto Madero em Buenos Aires, conforme Lucas, mostram que a iniciativa deverá ser um grande avanço para Passo Fundo. 

O prazo de concessão é de 10 anos, podendo ser prorrogado por período igual. Construído entre 1898 e 1920, o espaço onde funcionava o antigo sistema do transporte ferroviário faz parte da história da cidade, sendo ponto de referência do desenvolvimento na época. 

Cultura para todos 
Uma emenda do vereador Alex Necker ao projeto, aprovada com unanimidade, garante a continuidade da utilização da área por coletivos culturais, como conselhos, entidades e associações de artistas de forma gratuita.

Gostou? Compartilhe